Startups estão a criar emprego e a renovar o tecido económico

Os portugueses estão mais empreendedores e as start-ups estão a desempenhar um papel muito relevante em aspetos como a renovação setorial do tecido económico ou na criação de novo emprego.

O perfil das startups está a mudar, com mais iniciativas individuais, de menor dimensão, mas com um perfil mais exportador. Estas são algumas das conclusões do estudo da Informa D&B que traçou a evolução das novas empresas nos últimos 10 anos (2007-2016) em Portugal – ‘O Empreendedorismo em Portugal’.

De facto, o relatório mostra que desde 2008 que as startups reforçam o seu perfil exportador, mas em 2015, a percentagem destas empresas que exportam logo no primeiro ano de vida (11,6%) ultrapassou pela primeira vez a percentagem de empresas que vendem para o estrangeiro em todo o tecido empresarial (11,1%). Para estas startups exportadoras, os mercados externos representam mais de metade da sua faturação.

“O ritmo a que estão a ser criadas novas empresas é uma boa notícia em si mesmo. Mas além disso, se tentarmos perceber o que estas novas empresas nos dizem, constatamos que há aqui novas tendências na economia, seja no que elas representam em termos de iniciativa individual dos empresários, nos setores que estão a emergir ou na sua impressionante vocação exportadora”, revela Teresa Cardoso de Menezes, diretora geral da Informa D&B.

O alojamento e restauração passa do quinto para o terceiro lugar entre os setores onde nascem mais empresas. Os serviços e o retalho continuam, no entanto, a ser os setores onde nascem mais empresas. Os com maiores crescimentos em número de constituições de empresas foram a agricultura, pecuária, pesca e caça, telecomunicações e alojamento e restauração. Em 2016, também as atividades imobiliárias destacaram-se pelo forte crescimento no número de constituições.

Região de Lisboa volta a ser a mais empreendedora

O estudo indica ainda que depois de ter sido ultrapassada pelo Porto em 2008, a região de Lisboa volta a ser a mais empreendedora, com 37% das novas empresas em 2016, face aos 32,9% da região Norte. Entre 2007 e 2016 as regiões de Lisboa (+1,6%), Alentejo (+1,1%) e Norte (+0,7%) foram as que registaram o maior crescimento médio anual em número de novas empresas.

Outros dados relevantes da Informa D&B, referem-se ao tecido económico nacional que apresenta sinais de rejuvenescimento, com as empresas com idade até cinco anos a representarem, no final de 2015, quase um terço de todas as empresas nacionais. Estas empresas são o segundo grupo mais relevante em número de empresas e contribuíram, em 2015, com 9,1% do volume de negócios e com 16% do emprego do universo empresarial.

A análise das startups que nasceram nos últimos 10 anos mostra que o seu crescimento se verifica de forma mais acentuada nos primeiros anos, com o seu volume de negócios a registar um aumento médio de 139% no primeiro ano, triplicando após dois anos e sendo cinco vezes maior no oitavo ano. O número de empregados também aumenta, mas de forma mais contida, crescendo em média 35% no primeiro ano, duplicando apenas após oito anos de atividade.

É no primeiro ano que mais startups ficam pelo caminho

“Mas é também no primeiro ano que mais startups ficam pelo caminho. Cerca de dois terços das empresas sobrevivem ao primeiro ano de atividade, mais de metade (53%) ultrapassam o terceiro ano e 42% atingem a idade adulta. No oitavo ano de atividade, apenas um terço das empresas mantém atividade”, lê-se no estudo.

Entre 2007 e 2014, as startups foram responsáveis por quase um quinto (18%) do novo emprego criado no tecido empresarial. Se a estas acrescentarmos as empresas até aos cinco anos de idade, a percentagem sobe para os 46%.

Na última década nasceram em média 35 mil empresas por ano

O estudo revela ainda que entre 2007 e 2016, foram constituídas 347 272 empresas e outras organizações, o que representa uma média anual de quase 35 mil, das quais 97% são empresas. Entre 2008 e 2012 registou-se uma queda nas constituições de empresas, com exceção de 2011, em que se tornou possível constituir uma empresa com um capital social de 1 euro por sócio. Em 2013, inicia-se um ciclo de expansão de três anos consecutivos no número de nascimentos, com 2015 a atingir o melhor registo de constituições desde 2007. Em 2016, foram criadas 37 248 empresas e outras organizações em Portugal, menos 1,9% face a 2015, mas mantendo-se acima dos 37 mil.

Ao longo destes 10 anos, registou-se um crescimento da iniciativa individual e de menor dimensão. As sociedades unipessoais ganharam terreno e a dimensão média das startups diminuiu (passou de 2,6 empregados e 90,2 mil euros de volume de negócios em 2007 para 2,3 empregados e 65 mil euros em 2015), apresentando também um capital social inicial mais baixo.

 

Ler mais
Recomendadas

Farfetch: apoiar as novas gerações de empreendedores

Promover a inovação e o empreendedorismo faz parte da estratégia de José Neves. A segunda edição da aceleradora da Farfetch foi desenvolvida em cooperação com as marcas de moda Stella McCartney e Burberry.

Huub investe 2 milhões de euros para ser a “Amazon da moda”

Até 2020, a startup prevê investir este valor para escalar a sua plataforma. O plano prevê a contratação de 30 novos colaboradores para os departamentos “tech” e o reforço de parcerias junto dos gigantes tecnológicos Google e Amazon.

Web Summit: Empresas portuguesas que participaram em 2016 arrecadaram financiamentos de 60 milhões de euros

As ‘startup’ portuguesas que participaram na primeira edição da cimeira tecnológica Web Summit em Lisboa, há três anos, já arrecadaram quase 60 milhões de euros em financiamento após 41 rondas de investimento, informou a organização à agência Lusa.
Comentários