STCP vai reforçar seis linhas de autocarros com percursos fora do Porto

A operadora de transporte público de passageiros da Área Metropolitana de Lisboa detalha ainda que, no que se refere à contração da operação junto de operadores privados, adjudicou a contratação da operação das linhas 705, 706, 707 e ZF às empresas Maia Transportes, Espírito Santo e VALPI, para reforço da rede, a partir de dia 23 de novembro.

A STCP vai reforçar, a partir da próxima segunda-feira, dia 23 de novembro, seis linhas de autocarro com percursos fora do Porto, passando a oferta da principal operadora de transporte público de passageiros da AMP – Área Metropolitana do Porto a ser de 105%.

“A oferta da rede STCP – Sociedade de Transportes Colectivos do Porto vai ser aumentada, a partir de 23 de novembro, e por um período de cerca de três meses, através do reforço de seis linhas que circulam nos seis concelhos onde a STCP tem operação (Porto, Gaia, Gondomar, Maia, Matosinhos e Valongo). Estas linhas foram identificadas como linhas de maior procura de passageiros e maior intensidade de utilização, principalmente nos períodos de ponta da manhã e da tarde, alturas em que há registos de procura excessiva para a oferta, atualmente, praticada. São elas as linhas 501, 600, 703, 800, 801 e 907”, explica um comunicado da STCP.

Segundo o comunicado, “este reforço estará ativo aos dias úteis e nos horários denominados ‘Normais’, pelo que não estará em funcionamento nos dias de períodos de férias escolares”.

“Na mesma data, 23 de novembro, quatro linhas da rede da STCP (705, 706, 707 e linha ZF) passam a ser operadas por operadores privados ao serviço da STCP, tendo as mesmas sido contratadas com o objetivo de libertar os meios necessários para os reforços temporários atrás referidos. Estas linhas são contratadas apenas aos dias úteis e nos períodos de horários ‘Normais’, sem incluir férias escolares, tendo em consideração os períodos em que a empresa necessita de recursos adicionais, em termos de veículos e motoristas, para fazer face aos aumentos de oferta necessários”, assinala o comunicado em apreço.

Os responsáveis da STCP acrescentam que “a subcontratação não é aplicada diretamente aos reforços das linhas, dada a complexidade de gerir dois operadores, em simultâneo, no mesmo percurso.

As linhas de autocarro da STCP reforçadas fora do Porto, aos dias úteis e nos horários ‘Normais’ são a 501
(Aliados-Matosinhos [Praia]), com o reforço ao longo de todo o dia; a linha 600 (Aliados-Maia), que passará a ser operada sempre com autocarros articulados, permitindo um aumento de 15% de lugares oferecidos; a linha 703
(Cordoaria-Sonhos), com o reforço é ao longo de todo o dia; a linha 800 (Bolhão-Gondomar), também com o reforço ao longo de todo o dia; a linha 801 (Cordoaria-S. Pedro da Cova), com as mesmas condições; e a linha 907 (Boavista-Vila D’Este), com o reforço nas horas de ponta, entre Santo Ovídio e Vila d’Este, aos dias úteis.

Estes reforços não se verificam nas férias escolares.

Por seu turno, as linhas da STCP com operação contratada a operadores privados, são a linha 705 (Hospital S. João-Valongo [Continente]), com o reforço é ao longo do dia, nos horários ‘Normais’ (excetuam-se as férias escolares); a
linha 706 (Hospital S. João-Ermesinde [Est] via Monte Penedo); a linha 707 (Hospital S. João-Ermesinde [Est] via Arregadas); e a linha ZF (Valadares [Estação]-Francelos).

“Em outubro passado, a STCP tinha já assumido uma primeira operação de reforço transitório aos dias úteis, que beneficiou o serviço de oito linhas de elevada procura e de circulação exclusiva na cidade do Porto”, relembra o referido comunicado.

A STCP detalha ainda que, no que se refere à contração da operação junto de operadores privados, a empresa  adjudicou a contratação da operação das linhas 705, 706, 707 e ZF aos operadores Maia Transportes, Espírito Santo e VALPI para reforço da rede, a partir de dia 23 de novembro.

“Este acordo abrange unicamente os dias úteis, mantendo a STCP a operação das linhas aos fins de semana e feriados com recursos próprios. Os autocarros que irão circular nestas linhas, quando operados pelas empresas subcontratadas, estarão devidamente identificados com a marca STCP e serão operados de acordo com as condições
que vigoram em toda a Rede da empresa, nomeadamente horários e tarifário”, adianta o comunicado em questão.

No que respeita a medidas de prevenção, a STCP salienta que “continua a realizar ações de higienização e desinfeção das viaturas diariamente, de modo a reduzir potenciais riscos de contaminação e que os veículos das novas linhas
subcontratadas respeitarão as mesmas condições, condição que foi exigida na contratação realizada”.

“Estão também em vigor todas as medidas preventivas, de acordo com as orientações das entidades competentes, com o objetivo de assegurar o serviço de transporte público, bem como de garantir a segurança de todos os viajantes – passageiros e motoristas”, assegurando o cumprimento da lotação de dois terços da capacidade total autorizada em cada veículo (a informação está disponível à entrada das viaturas, bem como no interior); o uso de máscara obrigatório durante toda a viagem de autocarro ou elétrico; a venda de títulos de transporte a bordo só é possível com valores certos, não havendo lugar a trocos; manter a distância de um metro nas paragens, com máscara de acordo com as novas regras de prevenção na via pública; além de se aconselhar a desinfeção das mãos antes e depois das viagens.

A STCP assegura o transporte coletivo público rodoviário de passageiros na AMP, em regime de exclusividade dentro dos limites do concelho do Porto, e no regime geral de concessão nos concelhos limítrofes – Matosinhos, Maia, Valongo, Gondomar e Vila Nova de Gaia. Explora preponderantemente o modo autocarro e, em menor escala, o modo carro elétrico. A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. é uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários