Subsídio de alimentação: trabalhadores em part-time têm direito?

Saiba tudo sobre este subsídio: quais os valores, impostos, diferenças entre recebê-lo em cartão ou em dinheiro e se os trabalhadores em part-time também têm direito.

O subsídio de alimentação consiste numa contribuição monetária no sentido de compensar o trabalhador pelos gastos diários da refeição (normalmente o almoço) que tem lugar durante o período laboral. Mas sabia que não é obrigatório por lei? E ainda que existem diferenças entre recebê-lo em cartão ou em dinheiro? Neste artigo elaborado pelo ComparaJá.pt explicamos-lhe tudo sobre o subsídio de refeição.

 

O que é o subsídio de alimentação?

O subsídio de alimentação é um montante pago ao trabalhador, por cada dia trabalhado, para compensar a despesa que o mesmo tem com a refeição realizada durante o dia laboral.

Este subsídio é considerado um benefício social e a legislação portuguesa defende que deve ser pago por todas as empresas, tanto do setor público como no privado, contudo não é obrigatório por lei, pelo que nem sequer consta no Código do Trabalho. No entanto, a este benefício é atribuído um valor mínimo, contemplado no Orçamento do Estado, para os trabalhadores da função pública.

Por norma, o subsídio de alimentação é pago mensalmente e é referente a 22 dias úteis, ou seja, ao número de dias que cada funcionário trabalha, efetivamente, por mês. Em dias de férias, feriados, faltas ou outros dias não trabalhados, a entidade empregadora não tem obrigação de pagar este benefício.

 

Quem tem direito?

Uma vez que não é obrigatória, apenas os trabalhadores que tenham esta remuneração extra prevista no contrato individual ou no contrato coletivo de trabalho é que têm direito à mesma, caso contrário não é exigido à empresa que pague o subsídio de alimentação.

Se a entidade empregadora disponibilizar um serviço de cantina ou refeitório, o pagamento do subsídio de refeição também é dispensado.

 

Qual é o valor?

O nº 1 do artigo 20º da Lei nº 42/2016 – Orçamento do Estado para 2017 procedeu à atualização do subsídio de refeição da função pública para o valor de 4,77 euros, com efeito a partir de 1 de agosto de 2017.

O artigo 21º do Orçamento do Estado para 2018 manteve o valor referente a este subsídio para esse ano e no Orçamento de Estado para 2019 não é mencionado o tema, sendo que este valor manteve-se inalterado também para este ano.

É importante frisar que o montante de 4,77 euros serve também de referência para a definição do subsídio de alimentação do setor privado, porém as empresas são livres de praticar o valor que quiserem ou até de não disponibilizar este benefício.

 

Como se recebe este montante?

O pagamento do subsídio de alimentação pode ser feito de duas formas: em dinheiro, normalmente recebido junto com o ordenado, ou em cartão refeição.

 

Cartão refeição: como utilizar?

O cartão refeição é um método adotado por grande parte das empresas privadas para pagar o subsídio de alimentação, pois o limite do montante não tributável, recebido pelo trabalhador, é superior ao valor pago em dinheiro. Desta forma, as empresas podem aumentar os benefícios aos funcionários sem agravarem a carga fiscal para ambos.

Este cartão funciona como um cartão de débito pré-pago, ou seja, é, por norma, carregado pela entidade empregadora, todos os meses, com o montante de subsídio definido, sendo que o mesmo não pode ser convertido em dinheiro.

À semelhança dos cartões de débito, este cartão é protegido por um código PIN que lhe é solicitado quando o utiliza para efetuar pagamentos. A consulta do saldo pode ser feita online, no Multibanco ou numa aplicação para o telemóvel (dependendo de cada entidade emissora) e, caso não gaste o dinheiro todo de um mês, o excedente acumula para o mês seguinte.

Para ter este cartão não necessita de ter conta no banco emissor do cartão nem de pagar anuidade ou custos de manutenção.

O cartão refeição é aceite numa vasta rede de hipermercados e restaurantes, mas aconselhamos a que consulte a lista de parceiros que, por norma, está disponível online no site da entidade emissora do mesmo.

 

Pagam-se impostos sobre o subsídio?

Depende da forma como o subsídio é recebido e do montante. Caso receba o seu subsídio de alimentação em dinheiro e este não exceda os 4,77 euros, fica isento de descontos para a Segurança Social e IRS.

Já em cartão de refeição, o valor máximo isento de tributação é de 7,63 euros diários.

 

Os trabalhadores em part-time também recebem este subsídio?

Se é trabalhador em regime de part-time, tem direito ao subsídio de refeição no valor igual ao dos restantes trabalhadores em full-time, mas apenas se exercer funções laborais iguais ou superiores a cinco horas por dia.

Caso o seu contrato defina menos horas de trabalho, o valor do subsídio será proporcional ao volume da sua carga horária.

Ler mais
Relacionadas

Licença de maternidade: Esclareça aqui todas as suas dúvidas

No que à licença de maternidade diz respeito, muitas dúvidas podem existir sobre quanto se pode receber e durante quanto tempo.

Das isenções aos subsídios. Saiba quais os direitos dos cidadãos com deficiência

Da compra de casa à de automóvel, a lei define um conjunto de direitos para os cidadãos com deficiência. Conheça ainda em que circunstâncias podem ter acesso a subsídios especiais da Segurança Social.

Licença parental: afinal, a quantos dias têm os pais direito?

A licença parental tem sofrido algumas alterações legislativas, o que pode suscitar dúvidas tanto para os futuros pais como para as mães. Esclareça tudo neste artigo.
Recomendadas

Portugueses vão ser reembolsados de parte do IVA em novas compras em restaurantes ou hotéis

Em causa está um novo programa de apoio à procura para os setores do turismo e restauração, que constará na proposta de Orçamento do Estado para 2021, segundo o primeiro-ministro.

“Alexa, quando é o Prime Day?”: Evento anual de descontos da Amazon começa a 13 de outubro

A empresa de ‘e-commerce’ anunciou esta segunda-feira que contará com “a maior promoção de pequenas empresas de todos os tempos” no seu evento de compras que este ano sofreu um adiamento de três meses devido à pandemia.

Dívidas de IRS até cinco mil podem ser pagas em prestações

A medida simplifica e amplia as possibilidades de pagamento voluntário e pretende ser mais um meio para evitar que uma dívida avance para processo executivo, situação que implica sempre custos acrescidos em coimas e custas.
Comentários