Sucesso das empresas da indústria dependerá dos “recursos humanos”

Ter a capacidade de reter talento será fundamental para o sucesso das empresas, consideram os participantes na conferência sobre “a aceleração exigida á indústria”, promovida pelo Jornal Económico e pela Multipessoal.

O sucesso das empresas depende da sua capacidade de captarem e gerirem recursos humanos, especialmente num contexto de aprofundamento do processo de digitalização, consideraram os intervenientes na conferência “A aceleração exigida à Industria”, promovida pelo Jornal Económico (JE) e pela empresa de recrutamento Multipessoal.

A conferência “A aceleração exigida à Industria” foi transmitida esta sexta-feira, 15 de outubro, através da palataforma multimédia JE TV, contou com a participação de António Saraiva, presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal; Luís Fernandes, CEP da Cimpor; Tiago Monteiro, diretor executivo da Microsoft Portugal; Pedro Vitorino, senior finance director da Farfetch; e André Ribeiro Pires, chief operating officer da Multipessoal.

António Saraiva defendeu que a “seleção e retenção de talento” vai ser fundamental para a capacidade das empresas triunfarem.

“[É preciso] saber muito bem o que se quer fazer e para onde se quer ir, não andar ao sabor da correntes e das modas”, disse, defendendo a necessidade de as empresas terem uma estratégia, com “um horizonte temporal bem definido”.

Luís Fernandes também destaca a importãncia da retenção de talento.  “É necessário que as empresas olhem para esta geração de um modo completamente diferente”, defendeu, argumentando que, atualmente, “surgem constantemente novas oportunidades e se o projeto não for apetecível há fuga de talentos”.

Pedro Vitorino, admite que a valorização de talento é importante para o sucesso dos negócios, mas acredita ser mais importante “não perder a visão dos clientes e do nosso mercado”. “Esse é também um grande desafio que temos. Não podemos perder esse foco de evoluir e estar sempre a melhorar”, completou.

Num debate em que a importância da tecnologia esteve muito presente, pela necessidade de as empresas investirem e se adaptarem ao processo generalizado de digitalização das atividades, Tiago Monteiro, defendeu que a tecnologia é operacional e que os recursos humanos são fundamentais. “A tecnologia vale de muito pouco se não tivermos pessoas”, afirmou.

“Há determinado tipo de princípios sobre a forma como gere equipas, como gere projetos, que naturalmente deveriam estar refletidos e assentes sobre o potencial da tecnologia que traz colaboração, inovação”, destacou.

A conferência sobre “a aceleração exigida à indústria” foi quarta e última conferência de um ciclo sobre a evolução do emprego em Portugal, durante o qual foram analisados, em diferentes vertentes, os desafios que se colocavam antes da eclosão da pandemia de Covid-19, a adaptação ao período de exceção vivido nos últimos 20 meses e as perspetivas futuras, no pós-pandemia, no quadro da aceleração de tendências verificada e da retoma da generalidade das atividades económicas.

“As diferentes perspetivas obtidas nos debates representarão, com toda a certeza, a realidade do emprego em Portugal, agora e nos próximos anos”, disse André Ribeiro Pires ao JE. “[Com a conferência de hoje], foram trabalhadas quatro dimensões críticas para o desenvolvimento do emprego”, num quadro de incerteza, “que obriga a maior agilidade das instituições, dos governos e da regulamentação para manter a competitividade de Portugal a uma escala global”, acrescentou.

A conferência foi transmitida através da plataforma multimédia JE TV e das contas do Jornal Económico nas principais redes sociais e continuará disponível em www.jornalecononomico.pt.

Recomendadas

Digitalização, sustentabilidade e talento: três desafios da advocacia para 2022. Veja o debate do JE a partir das 15h00

Esta reflexão, que irá contar com a moderação de Filipe Alves, diretor do JE, tem como convidados Mónica Duque, assistente convidada – Faculdade Direito da Católica Porto; Catarina Santinha, associada sénior da Miranda & Associados, João Quintela Cavaleiro, sócio fundador da Cavaleiro & Associados, Paulo Câmara, managing partner da Sérvulo & Associados e Maria Figueiredo, Of Counsel da CMS Rui Pena & Arnaut.

Las Vegas volta a receber o re:Invent. Siga a conferência tecnológica em 15 imagens

O evento anual de ‘cloud computing’ da Amazon Web Services, que está a decorrer até sexta-feira nos Estados Unidos, conta com cerca de 27 mil participantes e mais 500 mil pessoas que estão a acompanhar online. O Jornal Económico está a acompanhar e deixa-lhe algumas imagens nesta galeria.

“É preciso fazer uma boa gestão do PRR”, diz country manager da Schneider Portugal

Victor Moure foi um dos especialistas presentes na webconference realizada pelo Jornal Económico, em parceria com a Schneider Electric, sobre os desafios da sustentabilidade na construção e no imobiliário.
Comentários