Sucessor de Carlos Ghosn aposta na aliança com Nissan, Renault e Mitsubishi

Makoto Uchida, o novo diretor-geral da Nissan, elogiou hoje a aliança com a Renault e a Mitsubishi, defendendo que deve tornar-se “mais forte”, mas preservar a independência do construtor japonês, que atravessa dificuldades.

A aliança “contribuiu bastante” para o crescimento que a Nissan registou no início dos anos 2000, considerou, na sua primeira conferência de imprensa como diretor-geral, na sede do grupo em Yokohama.

No entanto, a Nissan acabou por “criar uma cultura de empresa que forçava os funcionários a dizerem ‘é possível’ quando não era”, afirmou, sem nunca se referir a Carlos Ghosn, antigo líder do grupo e da aliança, que foi detido no Japão e acusado de má gestão.

Essa pressão levou a Nissan a privilegiar um crescimento a curto prazo em detrimento de investimentos para o futuro, acrescentou Uchida, citado pela AFP.

O novo líder da Nissan disse querer fixar objetivos “ambiciosos, mas viáveis” e continuar os esforços do grupo na aliança com base na “transparência, confiança e respeito mútuo, preservando, no entanto, a independência da Nissan”.

“A aliança deve ser benéfica para os três parceiros, é preciso desenvolvê-la e reforçá-la”, afirmou o responsável, que desde 2018 liderava as atividades da Nissan na China.

Os lucros e as vendas da Nissan têm sido penalizados pelo abrandamento do mercado automóvel mundial, mas também pela falta de renovação dos modelos.

O grupo iniciou este ano uma vasta reestruturação da sua capacidade de produção, tendo em vista uma redução desta em 10% até ao final de março de 2023, o que vai levar a uma redução de 12.500 empregos em todo o mundo.

Ler mais
Recomendadas

Sonae diz-se preocupada com o ‘Luanda Leaks’

O grupo cruza interesses com Isabel dos Santos na NOS e por pouco não aumentou a exposição às parcerias com a empresária angolana através da ida dos hipermercados para aquele país africano.

Grupo Vila Galé confirma desistência do projeto de Una na Bahia

“Nunca houve ali indígenas, nunca ali houve uma reserva indígena, não há, nem vai haver, como vão ver daqui a pouco tempo, quando surgir a decisão final”, garantiu Jorge Rebelo de Almeida reagindo às notícias de que o projeto iria inviabilizar uma reserva de indígenas brasileiros.

Vila Galé vai investir 45 milhões e abrir mais três hotéis em 2020

Com a abertura destas três unidades hoteleiras e a ampliação do Vila Galé Douro Vineyards, o grupo irá aumentar a sua oferta em 318 quartos – atualmente gere mais de 7.500 quartos – elevando de 34 para para 37 hotéis em Portugal (27) e no Brasil (dez).
Comentários