Sucessor de Carlos Ghosn aposta na aliança com Nissan, Renault e Mitsubishi

Makoto Uchida, o novo diretor-geral da Nissan, elogiou hoje a aliança com a Renault e a Mitsubishi, defendendo que deve tornar-se “mais forte”, mas preservar a independência do construtor japonês, que atravessa dificuldades.

A aliança “contribuiu bastante” para o crescimento que a Nissan registou no início dos anos 2000, considerou, na sua primeira conferência de imprensa como diretor-geral, na sede do grupo em Yokohama.

No entanto, a Nissan acabou por “criar uma cultura de empresa que forçava os funcionários a dizerem ‘é possível’ quando não era”, afirmou, sem nunca se referir a Carlos Ghosn, antigo líder do grupo e da aliança, que foi detido no Japão e acusado de má gestão.

Essa pressão levou a Nissan a privilegiar um crescimento a curto prazo em detrimento de investimentos para o futuro, acrescentou Uchida, citado pela AFP.

O novo líder da Nissan disse querer fixar objetivos “ambiciosos, mas viáveis” e continuar os esforços do grupo na aliança com base na “transparência, confiança e respeito mútuo, preservando, no entanto, a independência da Nissan”.

“A aliança deve ser benéfica para os três parceiros, é preciso desenvolvê-la e reforçá-la”, afirmou o responsável, que desde 2018 liderava as atividades da Nissan na China.

Os lucros e as vendas da Nissan têm sido penalizados pelo abrandamento do mercado automóvel mundial, mas também pela falta de renovação dos modelos.

O grupo iniciou este ano uma vasta reestruturação da sua capacidade de produção, tendo em vista uma redução desta em 10% até ao final de março de 2023, o que vai levar a uma redução de 12.500 empregos em todo o mundo.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários