Sucessor de Carlos Ghosn aposta na aliança com Nissan, Renault e Mitsubishi

Makoto Uchida, o novo diretor-geral da Nissan, elogiou hoje a aliança com a Renault e a Mitsubishi, defendendo que deve tornar-se “mais forte”, mas preservar a independência do construtor japonês, que atravessa dificuldades.

A aliança “contribuiu bastante” para o crescimento que a Nissan registou no início dos anos 2000, considerou, na sua primeira conferência de imprensa como diretor-geral, na sede do grupo em Yokohama.

No entanto, a Nissan acabou por “criar uma cultura de empresa que forçava os funcionários a dizerem ‘é possível’ quando não era”, afirmou, sem nunca se referir a Carlos Ghosn, antigo líder do grupo e da aliança, que foi detido no Japão e acusado de má gestão.

Essa pressão levou a Nissan a privilegiar um crescimento a curto prazo em detrimento de investimentos para o futuro, acrescentou Uchida, citado pela AFP.

O novo líder da Nissan disse querer fixar objetivos “ambiciosos, mas viáveis” e continuar os esforços do grupo na aliança com base na “transparência, confiança e respeito mútuo, preservando, no entanto, a independência da Nissan”.

“A aliança deve ser benéfica para os três parceiros, é preciso desenvolvê-la e reforçá-la”, afirmou o responsável, que desde 2018 liderava as atividades da Nissan na China.

Os lucros e as vendas da Nissan têm sido penalizados pelo abrandamento do mercado automóvel mundial, mas também pela falta de renovação dos modelos.

O grupo iniciou este ano uma vasta reestruturação da sua capacidade de produção, tendo em vista uma redução desta em 10% até ao final de março de 2023, o que vai levar a uma redução de 12.500 empregos em todo o mundo.

Ler mais
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários