Suécia não impõe limites e torna-se exemplo de combate ao vírus

O chefe da autoridade de saúde pública defendeu que o país “não se podem tomar medidas excessivamente rigorosas que têm um impacto limitado na pandemia, mas que ignoram as funções da sociedade”, impedindo-a de funcionar corretamente.

A Suécia tem 2.526 casos confirmados de Covid-19 mas está a tornar-se uma exceção internacional devido à sua resposta ao vírus, avança o ‘Financial Times’. De acordo com o jornal, o país está a manter as escolas abertas e adotou poucas medidas restritivas, embarcando numa “enorme experiência”, segundo um especialista de saúde.

Atualmente, a Suécia é o maior país europeu que não bloqueou as fronteiras e que não impôs restrições de movimentos de pessoas. As escolas até aos 16 anos continuam abertas, muitos cidadãos continuam a ir trabalhar e os transportes públicos estão lotados. “Obviamente que a Suécia se está a destacar”, assumiu o ex-primeiro-ministro.

As autoridades proibiram grandes aglomerados públicos com mais de 500 pessoas, encerraram universidades e aconselharam os trabalhadores a ficar em casa, optando pelo teletrabalho. Esta terça-feira, as autoridades suecas pediram aos restaures e bares para servirem nas mesas, em vez dos bares, uma vez que a proximidade com os empregados é maior.

A Suécia é, atualmente, o 13º país europeu com mais casos de infeção, ficando atrás de Portugal.

Segundo a comunicação social sueca, até ao sábado passado, centenas de pessoas estavam a reunir-se nas estâncias de ski, mantendo a vida social. Ainda assim, é importante lembrar que este vírus atingiu estâncias nas montanhas invernosas da Áustria e de Itália.

O chefe da autoridade de saúde pública defendeu que o país “não se podem tomar medidas excessivamente rigorosas que têm um impacto limitado na pandemia, mas que ignoram as funções da sociedade”, impedindo-a de funcionar corretamente.

Com 2.526 infetados, 44 óbitos e 16 recuperados, “o futuro ainda parece manobrável”, apontou um epidemiologista sueco, ainda que outros especialistas em saúde pública discordem da sua opinião.

A Suécia está à procura de desacelerar a propagação do número de infeção, para garantir que o sistema de saúde não fique sobrecarregado, como já está a acontecer em muitos países europeus. Ainda que as restrições sejam poucas, os especialistas sustentam que as ruas de Estocolmo mudaram drasticamente, com uma redução no número de pessoas que sai à rua.

Ler mais
Recomendadas

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.

Só vão ser permitidas deslocações na área de residência permanente durante a Páscoa

O decreto do Governo que vai regular o novo período de Estado de Emergência nacional, até 17 de abril, prevê ainda que, nas deslocações de carro, são apenas permitas duas pessoas por veículo, exceto no caso das famílias.

Parlamento quer ouvir Miguel Frasquilho sobre lay-off da TAP a 14 de abril

Assembleia da República aprovou por unanimidade a proposta do Bloco de Esquerda para ouvir, “com carácter de urgência”, o presidente do Conselho de Administração da TAP sobre a situação atual da empresa e a política laboral e comercial.
Comentários