Suécia vai distribuir aos cidadãos um guia de preparação para a guerra

Governo está a prepar um manual para enviar aos cidadãos sobre como actuar em caso de conflito bélico. A última publicação idêntica foi difundida durante a II Guerra mundial.

 

O Governo sueco vai editar em Maio uma versão atualizada de “Om Kriget Kommer” (E se a guerra chegar), um guia ilustrado com informação prática para a população. O guia é uma “reedição” de um manual enviado pela primeira vez em 1943 e que posteriormente foi utilizado durante a Guerra Fria.

A agência sueca para as Contingências Civis, dependente do ministério da Defesa, vai elaborar a brochura, cuja publicação é justificada pelo Governo “devido ao deterioramento das condições de segurança na Europa”, em especial, “nos países que rodeiam a Suécia”, numa alusão às tensões com a Rússia.

O guia, cujo título pode ainda ser alterado, pretende aumentar o conhecimento da população sobre como reagir, caso existam situações de crise ou que exijam uma rápida mobilização e faz parte de um plano para reforçar a Defesa Civil, explica a agência sueca, citada pelo ‘Financial Times’.

“A sociedade precisa de estar preparada para um conflito, e não apenas os militares. Não utilizamos palavras como “defesa total” há mais de 30 anos, o que quer dizer que os conhecimentos da matéria entre os cidadãos são muito fracos”, afirma Christina Andersson, líder do projeto na agência sueca.

O guia foi atualizado aos tempos de hoje e tratará temas actuais como as alterações climáticas, o terrorismo ou os ataques cibernéticos: “O foco era só na guerra, mas a sociedade de hoje é completamente distinta e as ameaças são mais complexas. As pessoas têm de ser informadas e saber como reagir”, acrescenta a responsável.

A Suécia é um país neutro associado à NATO e alterou a sua política de Defesa nos últimos três anos, intensificando a colaboração com a Aliança Atlântica. Também aumentou consideravelmente o seu orçamento para a Defesa.

Entre várias medidas implementadas, destacam-se o envio pela primeira vez desde 2005 de um destacamento permanente para a ilha báltica de Gotland; o restabelecimento do serviço militar obrigatório e um acordo parlamentar para permitir a permanência de tropas da NATO no seu território.

Por causa deste acordo, o país nórdico organizou em setembro as maiores manobras militares em 24 anos, com cerca de 20 mil soldados e pessoal civil e 1500 militares dos Estados Unidos, Estónia, Dinamarca, Noruega, Lituânia, França e também a neutra Finlândia.

Ler mais
Recomendadas

Comediante ganha as eleições na Ucrânia

Presidenciais na Ucrânia. Primeiros resultados dão vitória a Volodymyr Zelensky. As sondagens dão vitória ao comediante com 73,1%. Petro Poroshenko obteve 25,3%, avança o Euronews.

Rachida Dati: Ex-ministra quer tornar Paris de direita outra vez

Eurodeputada prepara autárquicas de 2020 com o objetivo de pôr fim a um jejum de quase 20 anos no centro-direita. Para isso terá que derrotar a socialista Anne Hidalgo, outra filha de imigrantes.

Árabes anunciam apoio financeiro de 2,7 mil milhões de euros para o Sudão

O apoio financeiro assume a forma de depósito de 500 milhões de dólares (445 milhões de euros) ao banco central sudanês e 2,5 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) destinados a financiar as necessidades do povo sudanês em produtos alimentares, medicamentos e produtos petrolíferos, indicou a agência sudanesa oficial SPA, citada pela France Press, sem especificar se se trata de doações ou empréstimos.
Comentários