Suíça levanta restrições a cidadãos provenientes de Portugal

Os nacionais ou viajantes provenientes desses países deixam de ter de cumprir uma quarentena de 10 dias à chegada, sob pena de uma multa de dez mil francos suíços (9.350 euros).

Genebra, Suíca

As autoridades federais suíças decidiram hoje levantar as restrições à entrada de pessoas provenientes da maior parte de países e regiões que estavam na sua lista negra, incluindo Portugal.

Os nacionais ou viajantes provenientes desses países deixam de ter de cumprir uma quarentena de 10 dias à chegada, sob pena de uma multa de dez mil francos suíços (9.350 euros).

Para decidir se um Estado ou uma zona apresenta um risco elevado de infeção, consideram-se as novas infeções por 100 mil pessoas nos últimos 14 dias.

Se a incidência no país em causa exceder em pelo menos 60 a da Suíça – mais de 760 por 100 mil habitantes, segundo os números mais recentes -, o país é inscrito na lista negra.

Em 25 de setembro, a Suíça tinha alargado a sua lista de países com viajantes sujeitos a uma quarentena quando chegassem a território helvético, incluindo Portugal.

A Suíça tinha sido relativamente poupada na primeira vaga da pandemia, na primavera, mas desde há várias semanas que o número de casos diários duplica semanalmente.

As autoridades já avisaram que, se a população não se esforçar, as estruturas hospitalares podem ficar congestionadas dentro de duas semanas.

A partir de quinta-feira, dia 29 de outubro, “e com uma duração indeterminada”, as discotecas e as casas noturnas estão fechadas, ao passo que restaurantes e bares fecham às 23:00.

Todas as manifestações com mais de 50 pessoas e todas as atividades desportivas e culturais não profissionais com mais de 15 pessoas são proibidas.

A Suíça vai também autorizar a partir de 02 de novembro a realização de testes rápidos.

“Ninguém quer um segundo semiconfinamento”, sublinhou a presidente federal, Simonetta Sommaruga, ao apresentar as novas medidas.

No caso da vizinha França só as regiões de Hauts-de-France, a da capital e a Polinésia permanecem na lista, o que significa que as estatísticas da pandemia aí são piores do que as da Suíça.

Até hoje, apenas as regiões fronteiriças com a Suíça tinham sido poupadas, por causa das ligações mútuas muito estreitas e das dezenas de milhares de habitantes em França que fazem funcionar parte importante da economia suíça.

A lista de países e regiões com chegadas condicionadas, que tinha dezenas de nomes, foi assim encurtada e só conta com as regiões francesas mencionadas, mais Andorra, Arménia, Bélgica e República Checa.

Ler mais
Recomendadas

Web Summit 2020: o que vai poder ver esta quinta-feira

Esta quinta-feira marca o segundo dia da edição 2020 da Web Summit, o maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo, este ano numa edição 100% online. Acompanhe no site do Jornal Económico e na plataforma JE TV uma vasta cobertura desta cimeira com entrevistas e painéis que vão marcar esta edição

Kai-Fu Lee prevê que empregos em cadeias de fast-food e telemarketing serão substituídos por IA

O ex-presidente da Google China, considerado um dos maiores especialistas em IA no mundo, esteve na Web Summit, onde fez referência à “relutância” da Europa em abdicar da privacidade mesmo que seja por “algo muito importante, como a saúde e a segurança”.

DGS confirma três casos positivos de Covid-19 na sede

A DGS “informa que foram confirmados três casos positivos de covid-19 na sua sede, até ao momento, ficando dez trabalhadores em isolamento profilático”, dá conta uma nota divulgada durante a noite de hoje às redações.
Comentários