Super Bock faz ‘spin off’ para produzir cervejas em pequena escala

No total, o Super Bock Group vai investir três milhões de euros para dar vida ao novo ‘Browers Beato’.

A Super Bock apresentou hoje um novo modelo de negócio e anunciou a criação de uma ‘spin off’, designada The Browers Company.

A The Browers Company “nasce para reforçar o papel e a intervenção da maior cervejeira nacional na promoção ativa da categoria de cervejas em Portugal, num projeto colaborativo e inclusivo que tem como objetivos principais elevar o interesse e conhecimento por esta bebida”, garante um comunicado da cervejeira.

O mesmo documento explica que será esta entidade a fazer a gestão do ‘Browers Beato’, um espaço polivalente que vai nascer no ‘Hub Criativo do Beato’, após o projeto de requalificação e modernização da antiga ‘central elétrica’.

No total, o Super Bock Group vai investir três milhões de euros para dar vida ao novo ‘Browers Beato’.

“O ‘Browers Beato’ vai integrar uma microcervejeira para produção de cervejas em pequena escala, uma zona de restauração e uma área para eventos e ‘workshops’ culturais e de promoção da experiência cervejeira, numa área de 700 metros quadrados, aproximadamente”, adianta o referido comunicado.

A Super Bock assume que “este é um novo modelo de negócio na atividade” do grupo, “através do qual a empresa continuará a dar o seu contributo para o crescimento da categoria de cervejas em Portugal, ao mesmo tempo que apoia o desenvolvimento deste pólo inovador que está a nascer na capital portuguesa, focado no empreendedorismo, na inovação e nas indústrias criativas”.

O projeto arquitetónico terá a assinatura de Eduardo Souto de Moura. “É uma obra de reabilitação ambiciosa a que se vai iniciar em setembro de 2018 que, preservando a traça original do edifício, vai assumir um forte carácter de atualidade, modernidade e conforto num espaço adaptado para produção cervejeira”, avança o comunicado da Super Bock, anunciando que se prevê a sua inauguração ao público em outubro do próximo ano.

“É sob a chancela ‘The Browers Company’ que serão produzidas, no local, cervejas em pequena escala que vão conviver no mesmo espaço com outras marcas de cerveja nacionais e internacionais, tendo em vista oferecer um portefólio diversificado e de qualidade a todos os que visitem o ‘Browers Beato’. A esta experiência de consumo vão somar-se iniciativas para promover o conhecimento sobre esta bebida milenar tão apreciada em Portugal. Junta-se ainda uma zona da restauração, em parceria com o Grupo Multifood, para complementar a oferta cervejeira com o melhor da gastronomia”, revela o comunicado da cervejeira.

A Super Bock acrescenta que o projeto do ‘Browers Beato’ “vai também acompanhar a dinâmica vivida pela comunidade empreendedora e criativa instalada no ‘Hub Criativo do Beato’ e nas freguesias envolventes, pretendendo ser um eixo central de acesso público à cultura e às indústrias criativas, nomeadamente com eventos e atividades colaborativas integradas nas áreas da música e da arte pública e urbana”.

“Recorde-se que a parceria entre o Super Bock Group, a Câmara Municipal de Lisboa e a Startup Lisboa assegura à empresa portuguesa a integração neste que promete ser o maior hub empreendedor e inovador nacional e um dos maiores da Europa, através de um conjunto de intervenções multidisciplinares, agora materializadas no ‘Browers Beato'”, conclui o comunicado da Super Bock.

Recomendadas

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários