Super Bock Group investe 30 milhões em Pedras Salgadas

A modernização do Centro de Produção de Pedras Salgadas e a expansão do Pedras Salgadas Spa & Nature Park, são os dois principais itens do novo investimento, que vai criar 30 novos postos de trabalho.

O Super Bock Group (ex-Unicer) vai investir 30 milhões de euros na modernização do Centro de Produção de Pedras Salgadas e na expansão do Pedras Salgadas Spa & Nature Park, valor que soma aos mais de 100 milhões já investidos pela empresa na região de Trás-os-Montes, desde que adquiriu a VMPS (Vidago, Melgaço e Pedras Salgadas) em 2002.

O anúncio foi feito pelo CEO, Rui Lopes Ferreira, durante a comemoração dos 150 anos da água das Pedras, cerimónia que contou com as presenças do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira,.

É no Centro de Produção de Pedras Salgadas que o Super Bock Group vai realizar o maior investimento, “considerando o plano estratégico de desenvolvimento de negócio no mercado interno e na exportação de Pedras, cuja presença se estende desde a Europa à Ásia, passando por África e América Latina, sendo comercializada em aproximadamente 20 países, o que demonstra a qualidade e o carácter diferenciador desta água com gás 100% natural”, refere fonte oficial do grupo.

Até 2026 serão investidos, por fases, 27,5 milhões de euros que acrescem aos 25 milhões já investidos nas últimas duas décadas, “para dotar esta unidade industrial ainda de melhores condições de produtividade e de eficiência, nomeadamente nos consumos de água e de energia, bem como de utilização de energias verdes. Mais moderna, com uma nova linha de enchimento e uma zona logística ampliada, esta unidade fabril ficará preparada, do ponto de vista de capacidade instalada (dos atuais 50 para os 70 milhões de litros) e de flexibilidade, para responder às necessidades futuras na operação de Pedras e, em particular, de Pedras Sabores, categoria que está com um crescimento muito significativo no mercado nacional”.

Este projeto de investimento vai ter efeitos na taxa de empregabilidade direta do Super Bock Group, “já que está prevista a criação de mais 30 postos de trabalho diretos nesta unidade fabril, que somam aos atuais 80. Em valores absolutos, a empresa é responsável, na região, por assegurar 211 postos de trabalho diretos, no Centro de Produção de Pedras Salgadas, no Pedras Salgadas Spa & Nature Park e no Vidago Palace Hotel, aos quais acrescem empregos indiretos necessários às diferentes atividades”.

Quanto à expansão e requalificação do Pedras Salgadas Spa & Nature Park, o Super Bock Group vai investir 2,5 milhões de euros, até 2023, dando continuidade ao plano definido, mas que a empresa se viu obrigada a suspender temporariamente devido à pandemia.

No interior do Parque, vão ser recuperados vários imóveis e será realizado um estudo de arquitetura para criar novos alojamentos em linha com o conceito existente. “Esta moderna unidade turística possui, atualmente, 14 Eco Houses e duas Tree Houses, da responsabilidade do arquiteto Luís Rebelo Andrade, entre outras valências turísticas, lúdicas e termais que se encontram no Parque para servir a comunidade local e receber turistas nacionais e estrangeiros, que privilegiam o contacto com a Natureza. Recorde-se que o Pedras Salgadas Spa & Nature Park (inaugurado em 2012) é um Projeto de Interesse Nacional (PIN) que foi concretizado, tendo sido preservados todos os pressupostos que levaram o Estado português a reconhecer e a atribuir este estatuto ao projeto do Super Bock Group”.

Recomendadas

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.

Refinaria de Matosinhos. Galp ainda não apresentou programa de descontaminação de solos

Governo disse que este programa terá de ser apresentado juntamente com o projeto de desmantelamento para esta unidade industrial, o que ainda não aconteceu. Ministro do Ambiente recordou que o PDM local estipula que o local da refinaria deverá continuar a ser usado para fins industriais e não para imobiliário.

Companhias aéreas: o que têm feito para recuperar da crise que abalou o sector

Com o regresso das viagens com mais frequência e menos restrições, as transportadoras têm introduzido novas políticas e procurado estratégias para recuperar da crise em que o vírus as mergulhou.
Comentários