SuperLiga Europeia pode ser um “auto-golo” de 4,3 mil milhões de euros, alerta consultora britânica

Nos últimos 15 anos, a Brand Finance tem vindo a estudar valor financeiro das marcas associadas ao futebol e, de acordo com a “Soccerex”, a criação de uma SuperLiga Europeia é provavelmente a mudança mais drástica que o futebol viveu nesse período.

epa07211162 Arsenal’s Alexandre Lacazette (R) scores the 2-1 lead during the English Premier League soccer match between Manchester United and Arsenal FC at the Old Trafford in Manchester, Britain, 05 December 2018. EPA/PETER POWELL EDITORIAL USE ONLY. No use with unauthorized audio, video, data, fixture lists, club/league logos or ‘live’ services. Online in-match use limited to 120 images, no video emulation. No use in betting, games or single club/league/player publications.

A denominada SuperLiga Europeia pode tornar-se numa espécie de “auto-golo” no valor de 2,5 mil milhões de euros e que as perdas podem chegar aos 4,3 mil milhões de euros, de acordo com um analista da consultora britânica Brand Finance, em declarações à “Soccerex”.

Nos últimos 15 anos, a Brand Finance tem vindo a estudar valor financeiro das marcas associadas ao futebol e, de acordo com a “Soccerex”, a criação de uma SuperLiga Europeia é provavelmente a mudança mais drástica que o futebol viveu nesse período.

“Para os clubes fundadores da SuperLiga Europeia, o prémio parece óbvio – mais dinheiro – mas isto ignora o enorme risco de que os adeptos não sigam essa lógica. Irão os adeptos votar com os pés e deixar os clubes pelos quais puxaram toda a sua vida? Irão as Ligas impor multas ou aplicar redução de pontos que pode causar a despromoção e potenciais perdas financeiras?”, questiona Richard Haigh, managing director da Brand Finance.

Este especialista aponta que, no cenário mais provável, a perda para os fundadores seja de 1,1 mil milhões por ano e que as marcas associadas sofram perdas significativas de reputação, com o valor da marca a desvalorizar 2,5 mil milhões. Estas perdas, estima a Brand Finance, é uma combinação de uma desvalorização na receita de transmissão televisiva e de receitas do dia de jogo

A criação de uma Superliga europeia de futebol foi anunciada este domingo por 12 dos principais clubes de Espanha, Inglaterra e Itália, que pretendem desenvolver uma competição de elite, concorrente da Liga dos Campeões, em oposição à UEFA.

“Doze dos clubes europeus mais importantes anunciam a conclusão de um acordo para a criação de uma nova competição, a Superliga, que será regida pelos seus fundadores”, informam os promotores da iniciativa, em comunicado enviado à AFP.

AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter de Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham, “uniram-se na qualidade de clubes fundadores” da Superliga, indica o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Câmara de Lisboa estuda solução para festejos do Sporting em segurança

“A mensagem que queria transmitir, neste momento, é que estamos a estudar, estamos a trabalhar, estamos a pensar nas melhores soluções para se acontecer a vitória do Sporting no campeonato, poder haver festejos em segurança na cidade de Lisboa”, disse o presidente da autarquia.

Quanto valeria o regresso de Cristiano Ronaldo à Liga portuguesa? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Primeira Pessoa” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Miguel Farinha: “Pandemia? É preciso destacar a capacidade de resiliência dos clubes”

Em entrevista ao programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, destacou a capacidade de resiliência dos clubes apesar de um terço da época ter sido afetada pela crise pandémica.
Comentários