Supermercados vão estar de portas abertas depois das 13 horas ao sábado e domingo

A associação que representa os supermercados e hipermercados defende que o número mínimo de pessoas permitidas por estabelecimento deve aumentar à semelhança do que acontece noutros países europeus. Sobre a possibilidade de abrir as portas mais cedo ao sábado e domingo, a APED aponta que essa decisão cabe a cada empresa.

Secretário-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier

Perante as dúvidas iniciais sobre os horários de funcionamento dos supermercados e hipermercados nos dois próximos fins de semana depois das novas medidas de restrição anunciadas pelo Governo, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) assegura que estes estabelecimentos vão continuar abertos depois das 13 horas de sábado e domingo nos 121 concelhos do país com maior risco de contágio.

“Os nossos associados do retalho alimentar vão cumprir o que está vertido no diploma apresentado pelo Governo no domingo à noite e que refere que a circulação de pessoas depois das 13h, entre outras normas, só poderá ser justificada para abastecimento de bens alimentares e de higiene, para pessoas e animais. Assim sendo, as diversas insígnias do retalho alimentar estarão abertas nos períodos normais para abastecer a população”, garantiu o diretor-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier, ao Jornal Económico.

Recorde-se que esta é precisamente uma das 13 exceções previstas na lei ao recolher obrigatório: “Deslocações a mercearias e supermercados e outros estabelecimentos de venda de produtos alimentares e de higiene, para pessoas e animais”.

Sobre a possibilidade de os estabelecimentos abrirem portas mais cedo nos próximos dois fins de semana, Gonçalo Lobo Xavier aponta que essa é uma decisão de cada retalhista.

“Existe essa possibilidade e temos conhecimento que há operadores que estão a ponderar abrir pelas 8h mas faz parte da decisão comercial de cada retalhista pelo que não temos indicação que seja uma opção que seja alargada a todos e a todas as zonas do país”, segundo o responsável.

Entre os seus associados, a APED conta com o Continente, Pingo Doce, Minipreço, Lidl, Dia, Intermarché, Auchan, Aldi ou Mercadona.

Ao mesmo tempo, a associação que junta os donos de supermercados e hipermercados continua a defender que o Governo deve aumentar o número mínimo de pessoas permitidas nos supermercados.

“Mais do que nunca, a APED defende que, com limitações de horários, ainda mais se justifica o aumento do rácio para, pelo menos, 8 pessoas por 100 mt2. Portugal tem o rácio mais baixo da Europa. Em Espanha e na Alemanha, são 10. Em França, 25”, começa por destacar.

“Tendo em conta que os espaços comerciais, do retalho especializado e do retalho alimentar, são espaços, seguros, onde as regras são cumpridas, a distância de segurança imposta, a limpeza é constante e as pessoas usam máscara, não há nenhuma razão para insistir ter lojas com circulação fácil e relativamente vazias, e pessoas à porta para entrar. É uma questão de saúde pública”, defende Gonçalo Lobo Xavier.

Idas ao supermercado, à farmácia ou passeios curtos. Conheça as 13 exceções ao recolher obrigatório

Ler mais

Recomendadas

Mais de metade dos portugueses não tenciona fazer férias neste verão

Uma sondagem realizada pela Aximage para a TSF/JN/DN indica que 52% dos portugueses não tencionam ir de férias neste verão. Entre os que planeiam ir de férias (48%), o mercado interno está no topo das preferências.

Brasil com mais 71.832 novos casos de Covid-19 e 2.616 mortos

O Brasil registou nas últimas 24 horas 71.832 novos casos de infeção e mais 2.616 mortes por covid-19, elevando o total acumulado de vítimas mortais para 351.334, informou sábado o Governo.

Exposição ao turismo levanta incertezas na recuperação económica

Recuperação do turismo, especialmente o estrangeiro, deverá ser lenta Processo de vacinação é decisivo para o setor com elevado peso na economia portuguesa.
Comentários