Supervisor mantém as exigências de capital ao Banco Montepio em 2019

Os testes de stress ao Banco Montepio determinaram que a instituição tem de ter um rácio de capital especifico ao nível do Pilar 2 para 2019, igual ao do ano passado. Esta exigência de fundos próprios para 2019, e que é em função dos riscos da entidade, é superior ao rácio que o regulador exigiu à CGD (2,25%), ao BCP (2,25%) e ao BPI (2%).

O Banco Montepio já recebeu a decisão do Banco de Portugal, enquanto autoridade responsável pela supervisão em base consolidada do Banco Montepio, sobre os requisitos prudenciais de fundos próprios que deverão ser cumpridos a partir de 1 de julho de 2019, na sequência do processo anual de supervisão, designado de Supervisory Review and Evaluation Process (SREP), no âmbito do Pilar 2.

Este pilar, que define a exigência de capital com base no processo de avaliação SREP (Supervisory Review and Evaluation Process), é para o Montepio de 3% em termos de rácio de common equity tier 1 (CET1), de 3% em termos de rácio de T1 e em termos de rácio de capital total. Esta exigência de fundos próprios para 2019, e que é em função dos riscos da entidade, é superior ao rácio que o regulador exigiu à CGD (2,25%), ao BCP (2,25%) e ao BPI (2%).

As autoridades de supervisão avaliam e medem regularmente os riscos a que cada instituição de crédito está exposta. Esta atividade fundamental é chamada “processo de análise e avaliação para fins de supervisão” ou, simplesmente, ou SREP e sintetiza todas as conclusões retiradas pelas autoridades de supervisão ao longo do ano, ditando o “trabalho de casa” das instituições de crédito.

“Os procedimentos conduzidos pelo Banco de Portugal seguiram as orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) em matéria de processo anual de supervisão e as metodologias definidas no âmbito do Mecanismo Único de Supervisão”, diz o banco liderado por Carlos Tavares e Dulce Mota.

Os requisitos mínimos, que incluem as componentes de requisitos mínimos (Pilar 1), requisitos específicos decorrentes do SREP (Pilar 2) e requisitos combinados das reservas, para aplicar a partir de 1 de julho de 2019, são: No regime Phasing In, o rácio mínimo do Montepio de CET1 é de 10,125%; de rácio de capital Tier 1 é 11,625% e em termos de rácio total é de 13,625%.

O pilar 1 impõe para todos os bancos um CET1 de 4,5%; 6,0% de Tier 1 e 8% de rácio total. Já a almofada de reservas para este ano tem de ser 2,625% (quer em CET1, quer em T1 e em rácio total).

Na qualidade de “outra instituição de importância sistémica” (O-SII), o banco encontra-se sujeito a uma exigência adicional em termos de fundos próprios (buffer O-SII), devendo ainda cumprir com a reserva de conservação e demais reservas que sejam aplicáveis a cada momento.

 

Os rácios de fundos próprios consolidados do banco, em 31 de dezembro de 2018, são estimados e incluem os resultados líquidos acumulados do ano, adverte o banco.

Os rácios CET1 phasing-in e de capital total fixaram-se em 13,5% e 14,1% respetivamente, já incluindo a emissão de 50 milhões de euros de dívida feita no final do ano.

 

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.

Rui Rio diz que auditoria ao Novo Banco deve incluir atual gestão

Presidente do PSD ressalvou que incluir a atual gestão do Novo Banco na auditoria “não quer dizer que haja desconfianças” sobre a forma como a instituição está a ser gerida. Mas que os contribuintes portugueses “exigem uma clarificação”.

Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Comentários