Tancos: António Costa indicado como testemunha. Juiz Carlos Alexandre quer ouvi-lo presencialmente no tribunal

Segundo a Sábado, o juiz já terá dado seguimento ao pedido de audição presencial do primeiro-ministro para o Conselho de Estado (CS), o órgão que tem de autorizar o testemunho de António Costa.

Twitter

O primeiro-ministro, António Costa, foi indicado como testemunha no processo de Tancos pela defesa do antigo ministro da Defesa Azerede Lopes e o juiz de instrução Carlos Alexandre quer que o Chefe de Governo preste declarações presencialmente, noticiou a revista “Sábado” na segunda-feira, 9 de dezembro.

O juiz de instrução não quer que António Costa responda por escrito, um direito que assiste ao primeiro-ministro de acordo com o artigo 503 do Código do Processo Civil e, por isso, o pedido de audição já seguiu do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) para o Conselho de Estado (CS), o órgão que tem de autorizar o testemunho do primeiro-ministro.

Em tribunal, António Costa terá de responder a tudo o que lhe for perguntado pelo juiz, pelos procuradores do Ministério Público e pelos advogados que defendem os acusados que têm algum tipo de relação com os factos imputados ao ex-ministro da Defesa, de acordo com a “Sábado”.

Recomendadas

Pedrógão Grande: MP instaura inquérito criminal contra presidente da Câmara

“Confirma-se a instauração de inquérito. O mesmo encontra-se em investigação”, afirmou a Procuradoria-Geral da República, em resposta à agência Lusa.

Operação Lex: PJ perplexa com distribuição de processos no Tribunal da Relação de Lisboa

Autoridades concluem que terão existido centenas de processos atribuídos sem sorteio a juízes outros desembargadores além de Rui Rangel, Fátima Galante e Luís Vaz das Neves.

BES: Depoimento de Carlos Costa no recurso da KPMG a coimas do BdP foi adiado

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão acabou por ouvir apenas o perito Pedro Pereira, técnico superior do BdP, num depoimento que prosseguirá na próxima quinta-feira.
Comentários