Tancos: Azeredo Lopes sabia da encenação mas não denunciou por não ter esse “dever funcional”

O meu cliente está muito cansado. Não houve pergunta nenhuma a que ele não respondesse. Se o senhor juiz e a senhora Procuradora-Geral ficaram satisfeitos não sei”, disse o advogado Germano Marques da Silva.

António Cotrim/Lusa

O antigo ministro da Defesa José Alberto Azeredo Lopes admitiu esta segunda-feira, em tribunal, ter tido conhecimento de que as armas dos paióis de Tancos foram encontradas depois de uma chamada fabricada, revela a “SIC”. Segundo a estação televisiva de Paço d’Arcos, o ex-ministro disse ao juiz Carlos Alexandre que não informou as autoridades competentes porque “não tinha o dever funcional” de o fazer.

“Qual é o artigo da lei que diz isso [que o ministro está obrigado a informar]? O meu cliente está muito cansado. Não houve pergunta nenhuma a que ele não respondesse. Se o senhor juiz e a senhora Procuradora-Geral ficaram satisfeitos não sei”, explicou o advogado de Azeredo Lopes aos jornalistas à saída do tribunal.

Questionado sobre a chamada anónima que revelou a localização do material furtado, Germano Marques da Silva referiu à imprensa presente no local que “quando isso se passou esses documentos já eram do conhecimento da PGR”. “A PGR devia fazer uma participação disciplinar contra os funcionários e entretanto abria um processo disciplinar”, afirmou o jurista.

José Alberto Azeredo Lopes teria sido previamente informado de que a recuperação das armas de Tancos havia sido uma encenação da Polícia Judiciária Militar.

Tancos: Ex-ministro Azeredo Lopes já chegou a tribunal para ser interrogado

Ler mais
Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.

PremiumDeco perde ação judicial contra ex-gestores do BES

Era uma mega ação de pedido de indemnização em nome dos pequenos acionistas que foram lesados pelo aumento de capital do antigo BES, mas o Tribunal da Relação manteve a decisão desfavorável à Deco.

Joana Marques Vidal alerta que simplificar contratação pública pode promover “atos de corrupção”

A ex-Procuradora Geral da República alerta que é preciso ter “muito cuidado” com a simplificação dos procedimentos concursais para executar os fundos comunitários. Caso contrário, poderá promover-se “eventuais atos de corrupção”, avisa.
Comentários