Tancos: PSD requer debate na AR invocando “suspeita da conivência do primeiro-ministro”

O PSD requereu esta segunda-feira ao presidente da Assembleia da República uma reunião urgente da conferência de líderes para se marcar um debate sobre Tancos em Comissão Permanente, invocando uma “suspeita da conivência do primeiro-ministro”.

PSD

No requerimento dirigido a Eduardo Ferro Rodrigues, o grupo parlamentar do PSD escreve que “a acusação proferida no âmbito do processo de Tancos afeta diretamente um ex-membro do atual Governo, pondo a nu a existência de condutas extremamente graves no exercício dessas funções políticas que colidem com o compromisso assumido perante todos os portugueses de exercer com lealdade as funções que lhe foram confiadas”.

“É pouco crível que o ex-ministro da Defesa Nacional [Azeredo Lopes] não se tenha articulado, sobre este processo, com o responsável máximo do Governo, quando é público que o fez com um deputado do PS, o que levanta a suspeita da conivência do primeiro-ministro”, acrescentam os sociais-democratas.

Segundo o PSD, “à Assembleia da República não só foram sonegadas informações no âmbito da sua competência de fiscalização do Governo no que se refere ao processo de Tancos, como este órgão de soberania terá sido inebriado pelo Governo com informações, no âmbito deste processo, que não correspondem minimamente à realidade”.

O PSD defende que “é urgente repor a credibilidade das instituições – Governo e Assembleia da República – e a normalidade democrática, o que exige uma reunião da Comissão Permanente para debater este assunto”.

Para esse efeito, pede a Ferro Rodrigues “a realização, com carácter de urgência, de uma reunião extraordinária da conferência de líderes”.

A Comissão Permanente funciona fora do período de funcionamento efetivo da Assembleia da República, com uma composição proporcional à representatividade dos grupos parlamentares.

O presidente do PSD, Rui Rio, já tinha anunciado na sexta-feira que o seu partido iria pedir a convocação da Comissão Permanente da Assembleia da República, na sequência da divulgação da acusação do Ministério Público no caso de Tancos.

No documento dirigido ao presidente da Assembleia da República, com a data de hoje, os sociais-democratas argumentam que, “mesmo que não tenha havido qualquer articulação” entre o anterior ministro da Defesa Nacional e o primeiro-ministro, “tal configura uma situação igualmente grave, pois significa que um membro do Governo não avisa o chefe do executivo sobre situações extremamente graves que se passam no seu ministério”.

Ler mais
Relacionadas

António Costa reitera que nada sabe sobre o caso Tancos

Em entrevista à RTP, o secretário-geral do PS acusou Rui Rio de ter feito “uma insinuação que é absolutamente lamentável”.

Tancos: Sócrates critica declarações de António Costa

O antigo primeiro-ministro considera que a apresentação da acusação judicial tem evidente e ilegítima motivação política e crítica anteriores declarações de António Costa sobre justiça.

Tancos: Tiago Barbosa Ribeiro (PS) recusa falar sobre SMS de ex-ministro e frisa que nunca foi ouvido

O deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro recusou-se hoje, em Gaia, a falar sobre a mensagem escrita que terá recebido do ex-ministro Azeredo Lopes referente ao caso de Tancos, frisando que não foi contactado por nenhuma autoridade policial ou judicial.
Recomendadas

Greta Thunberg vai ao parlamento português entre final do mês e início de dezembro

Há uma semana, os deputados da comissão parlamentar de Ambiente aprovaram, por unanimidade, a proposta para a vinda da ativista sueca a Portugal.

CDS quer Ordem da Liberdade para quem participou no 25 de Novembro de 1975

O deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.

Comissão de Transparência. PAN apresenta proposta contra limites ao escrutínio público

Em causa está a decisão do presidente da comissão, Jorge Lacão, de fazer reuniões à porta fechada e sem acesso à comunicação social, alegando que há elementos que vão estar em discussão que não devem ser do conhecimento público.
Comentários