Tanto NPL nunca mais!

Os bancos enquanto credores não podem ter constrangimentos em impugnar divórcios em que todo o contexto aponte para que tenham sido simulados.

Os bancos portugueses têm vendido carteiras de crédito malparado em larga escala, o que tem contribuído enormemente para a redução dos níveis de non-performing loans (NPL), como Bruxelas recomenda. E em boa hora, os avisos do Banco de Portugal repetem-se alertando para a importância da adopção de medidas preventivas para que o volume de crédito bancário de cobrança difícil não regresse aos valores do passado recente.

Os tempos de problemas (e sustos) são por natureza propícios a mudanças, o que significa que os próprios clientes bancários facilmente compreenderão que as exigências na concessão de crédito têm de ser reforçadas para que não pague o justo pelo pecador na próxima crise económica e financeira (e ela há-de vir, só não sabemos quando).

Entre as alterações que os bancos podem implementar de imediato situam-se, desde logo, aquelas que derivam dos mecanismos que a lei já lhes concede como credores. Referimo-nos, por exemplo, à faculdade de accionamento da exigência de reforço de colaterais no caso de as garantias prestadas se tornarem insuficientes. É que a posição dominante em que o credor se encontra, segundo o entendimento do legislador, na fase de negociação do crédito, desfavorece-o em cenário de incumprimento, pois não existem verdadeiras alternativas ao calvário da acção executiva, excepto o mal menor da dação em cumprimento.

Razão por que os bancos deverão, por outro lado, estar muito atentos à variação patrimonial dos mutuários e dos garantes, impugnando prontamente todas as formas de esvaziamento de património. Só a utilidade e eficácia da acção pauliana explica a sua resistência desde o Direito Romano! E o efeito prático será tanto maior se for desencadeada logo, a tempo e horas, e não volvidos cinco anos menos um dia sobre as doações e as vendas…

E há que dizê-lo: os bancos enquanto credores não podem ter constrangimentos em impugnar divórcios em que todo o contexto aponte para que tenham sido simulados. Por alguma razão o nosso Código Civil prevê como mecanismo geral de conservação da garantia patrimonial que os credores possam invocar a nulidade de quaisquer actos praticados pelo devedor, não sendo necessário sequer que tais actos produzam ou agravem a insolvência do devedor.

No crédito às empresas (inacreditavelmente!), a prática indica que o penhor de estabelecimento comercial tem sido ignorado pelos bancos como possível garantia real, apoucando ou esquecendo que desde 2017 a lei permite que com esta garantia se celebre um pacto de apropriação automática, o que significa que o banco, em caso de incumprimento, pode fazer seu o estabelecimento dado em garantia, automaticamente e sem necessidade de recorrer aos tribunais e à morosa e onerosa acção executiva.

No quadro legal actual, já existem, pois, mecanismos de que os bancos poderão lançar mão no futuro, alguns até antecipatórios de cenários de incumprimento definitivo e que poderão ser o segredo mais bem guardado das medidas a tomar para que os níveis de NPL do passado recente não se repitam nunca mais.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

PremiumAntónio Andrade: “O Tribunal Unificado de Patentes pode ser muito negativo para as PME”

António Andrade, sócio da Abreu, explica a importância da proteção de patentes na indústria farmacêutica.

PremiumComo a transformação digital está a mudar os negócios

Para Sam Balaji, líder global de consultoria da Deloitte, há “grandes oportunidades” para Portugal no setor da transformação digital. Finanças, Energia, Retalho e Distribuição são os setores que mais investem.

PremiumPME terão mais uma forma de financiamento

Advogado Gustavo Ordonhas Oliveira diz que já há interessados em criar fundos de crédito, inclusive gestoras de fundos de capital de risco.
Comentários