TAP: Conclusão das negociações em Bruxelas “está para breve”

O Plano de Reestruturação prevê que a companhia aérea atinja um resultado operacional equilibrado até 2023, mas com uma “recuperação lenta da atividade da TAP”.

A TAP aguarda o fim das negociações em curso com a Comissão Europeia, em Bruxelas, para aprovação do Plano de Reestruturação, “que deverão concluir-se brevemente”, refere a companhia aérea nacional, esclarecendo que o plano prevê uma “recuperação lenta da atividade da TAP”.

O último trimestre de 2020 foi marcado pela preparação do Plano de Reestruturação, o qual foi submetido à Comissão Europeia a 10 de dezembro de 2020. Este plano apresenta os pilares e as linhas estratégias que asseguram a sustentabilidade e rentabilidade da TAP em função do novo cenário de procura esperado, desde a adequação do plano de pessoal, rotas e frota, assim como a adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19.

O Plano de Reestruturação tem como objetivos assegurar a sobrevivência e a sustentabilidade do Grupo TAP, garantindo que o mesmo continua a contribuir para a economia portuguesa. O Plano de Reestruturação prevê que a TAP atinja um resultado operacional equilibrado até 2023, assegurando uma situação que permita fazer face aos compromissos financeiros nas suas maturidades.

O negócio do Grupo TAP em 2021 (e do setor aéreo em geral) irá naturalmente depender da evolução da pandemia e do plano de vacinação, que ditará a velocidade da recuperação económica doméstica e internacional, principalmente nos países que são os principais mercados da TAP.

Como já referido, o Plano de Restruturação prevê uma recuperação lenta da atividade da empresa, tentando acomodar a maior incerteza do setor no ano de 2021, tal como projetado pelos organismos o sector (IATA).

Recomendadas

O Papel do COO na reinvenção das empresas

Dada a escala e velocidade da mudança no ano passado, muito precisa de acontecer agora em termos de integração, segurança e gestão. E o Chief Operating Officer tem um papel essencial a desempenhar aqui.

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.
Comentários