TAP poderá tornar-se na terceira companhia que mais passageiros movimenta na Madeira com entrada da Ryanair

O facto de a Ryanair ter aviões baseados na ilha é uma novidade no Aeroporto da Madeira, uma vez que este era o único grande aeroporto português sem aviões que ali começam e ali terminam o seu dia.

Os especialistas e consultores da SkyExpert acreditam que com a entrada da Ryanair no mercado regional madeirense a TAP poderá ser relegada para número três ao nível de companhia que mais passageiros movimenta na Madeira, depois de no terceiro trimestre deste ano ter sido ultrapassada pela easyjet.

“Para um melhor prognóstico, teremos de observar como a easyJet e a Transavia reagirão ao anúncio da Ryanair de modo a protegerem o seu mercado madeirense. Do lado da TAP não se esperam mudanças – continuará a servir os mesmos destinos domésticos – mas sofrerá uma maior pressão em termos tarifários”, refere o comunicado da SkyExpert, enviado esta quarta-feira às redações.

“Perante os deputados da Assembleia Regional, a CEO da TAP justificou, na sua recente visita à Madeira, as tarifas de mil euros entre Lisboa e o Funchal como sendo consequência da lei da oferta e da procura. É justamente isso que a Ryanair vem alterar também nas rotas domésticas que terão três companhias concorrentes para Lisboa e quatro para o Porto a partir de 2022”, salientam.

Ministro da Economia destaca Ryanair na Madeira e diz que Governo não trabalha só com a TAP

O Porto Santo continua a ser uma oportunidade para a TAP no arquipélago, dizem os especialistas da SkyExpert, destino que opera ainda em exclusividade, cobrando uma tarifa média duas a três vezes superior às ligações que opera entre Lisboa e as Canárias, mas que decidiu deixar de voar este inverno.

Os especialistas acreditam que a Ryanair poderá movimentar cerca de 500 mil passageiros já no próximo ano e que até abril de 2022 a companhia aérea poderá ainda anunciar novos voos para o Funchal que complementarão aqueles operados com os aviões baseados na ilha.

O facto de a Ryanair ter aviões baseados na ilha é uma novidade no Aeroporto da Madeira, uma vez que este era o único grande aeroporto português sem aviões que ali começam e ali terminam o seu dia.

“Numa região onde o turismo representa 26% do PIB regional e emprega mais de 20 mil pessoas, esta notícia representa uma oportunidade de crescimento única. Tipicamente, estes aviões começarão a sua jornada às 6h e terminarão às 23h, realizando, no mínimo, duas viagens de ida e volta para diversas cidades europeias. As tripulações serão igualmente baseadas na ilha e os fornecedores locais contratados terão certamente de aumentar os seus quadros”, sublinham.

Entre os destinos clássicos já servidos por outras companhias, como Manchester, Londres, Lisboa e Porto, a entrada da Ryanair traz novidades como Marselha, Milão e Nuremberga, abrindo a Região a novos mercados.

“No total serão 40 voos semanais e dez rotas diretas que permitirão um novo acesso e conetividade à ilha para estadias típicas de uma semana, para um fim de semana prolongado ou para outro tipo de combinações mais flexíveis graças à maior frequência com voos diretos.

Em termos comparativos, as duas companhias mais importantes do aeroporto da Madeira operam voos diretos para apenas seis destinos em três países no caso da easyjet (Alemanha, Portugal e Reino Unido) e unicamente para Lisboa e Porto, no caso da TAP”, frisam os especialistas.

Relacionadas

Ministro da Economia destaca Ryanair na Madeira e diz que Governo não trabalha só com a TAP

“E é muito positivo que possamos ter agora na Madeira uma base da Ryanair, que vai aumentar exponencialmente a disponibilidade de conexão quer dentro do território nacional, quer a outros pontos do território europeu para onde a Ryanair voa”, afirmou Siza Vieira.

Ryanair investe 177 milhões para abrir base na Madeira (com áudio)

Estão previstas duas aeronaves, 60 novos postos de trabalho diretos, mais de 40 voos semanais a sair da região autónoma, e dez novas rotas.
Recomendadas

Governo recebe 300 milhões da CGD em dividendos extraordinários

Com este dividendo extraordinário, o Estado recebe ao todo em 2021, da CGD, 383,6 milhões de euros.

“Teletrabalho? Caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos em virtude do trabalho remoto”

“Ficou claro que caberá ao empregador pagar tudo o que seja relativo à aquisição de equipamentos e de instrumentos de trabalho: computadores, tablets, telemóveis, impressoras, etc. Por outro lado, caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos que o trabalhador comprovadamente demonstrar serem relativos ao teletrabalho”, realçou Maria João da Luz, advogada sénior da Morais Leitão.

Haitong Bank liderou a emissão de obrigações da Mota-Engil num sindicato que incluiu CaixaBI, Finantia e Novobanco

Nesta emissão, a Mota-Engil compromete-se a melhorar um indicador (KPI) de modo a alcançar a uma meta de desempenho de sustentabilidade (SPT) em 31 de dezembro de 2025; caso a emitente não cumpra esse objetivo, pagará uma remuneração adicional de 1,25 euros por obrigação Mota-Engil 2026 na data de reembolso final do empréstimo.
Comentários