Task-force diz que não se justifica reabrir centro de vacinação do Queimódromo no Porto

 A ‘task-force’ que coordena o plano de vacinação contra a covid-19 em Portugal adiantou hoje que não se justifica a reabertura do centro de vacinação do Queimódromo, no Porto, face ao “baixo ritmo” de inoculações.

Manuel de Almeida/Lusa

“Tendo em conta o baixo ritmo de vacinação, uma vez que a esmagadora maioria da população já se encontra vacinada e a atual cobertura de centros de vacinação existente na cidade do Porto, foi considerado não se justificar a reabertura do CVC do Queimódromo”, afirmou hoje a ‘task-force’.

Em resposta à agência Lusa, a propósito da notícia avançada pela SIC de que o centro de vacinação do Queimódromo não vai reabrir, a ‘task-force’ adiantou ter recebido o relatório relativo ao centro de vacinação por parte da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS), “que decidiu pelo seu arquivamento”.

Em causa está a suspensão da atividade daquele centro de vacinação a 12 de agosto, depois de detetada uma alegada falha na cadeia de refrigeração de cerca de 1.000 vacinas.

A Lusa tentou contactar a IGAS, mas até ao momento não obteve nenhuma resposta.

Em 24 de agosto, o coordenador nacional da ‘task-force’, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, afirmou que a reabertura do centro no Queimódromo poderia “já não ser útil” independentemente do resultado da investigação em curso.

“Temos que ter a certeza de que, ao reabrir, as operações vão correr bem e, também, que aquilo tem utilidade, porque, nesta fase, começamos a estar no fim [da vacinação massiva] e podemos chegar à conclusão de que abrir uma estrutura daquelas no fim do processo pode já não ser útil”, declarou.

No mesmo dia, em comunicado, a Direção-Geral da Saúde (DGS) avançou que a vacinação decorrida a 09 e 10 de agosto naquele centro era “válida” e que os utentes não tinham de repetir a inoculação.

“A vacinação ocorrida no Centro de Vacinação Covid-19 – Queimódromo do Porto a 09 e 10 de agosto de 2021 foi considerada válida, após análise do Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, IP, pelo que se considera que os utentes vacinados nestes dias não terão de repetir esta vacinação”, referiu a DGS.

A covid-19 provocou pelo menos 4.622.410 mortes em todo o mundo, entre mais de 224,2 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.861 pessoas e foram contabilizados 1.055.584 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Recomendadas

PCP diz que resultados da CDU são consequência de campanha anticomunista

O dirigente comunista João Oliveira considerou, esta segunda-feira, que os resultados eleitorais da CDU nas autárquicas são consequência de uma “prolongada e intensa campanha anticomunista” e da concentração da discussão em assuntos nacionais, em vez de locais.

Qual o balanço dos partidos sobre os resultados eleitorais?

Na generalidade, os líderes dos partidos com representação no Parlamento consideraram que alcançaram os objetivos a que se propuseram, embora também alguns representantes partidários tenham assumido que os resultados ficaram “aquém dos esperado”.

Madeira tem mais 14 casos positivos e dez recuperados de Covid-19

Dos novos casos positivos há um caso importado e com proveniência do Reino Unido, e 13 foram de transmissão local.
Comentários