Taxas de juro negativas: é verdade que o banco me vai pagar para emprestar dinheiro?

Se a Euribor for empurrada para níveis excessivamente negativos, os bancos podem ter que passar a pagar para emprestar. Mas, na prática, como é que isto funciona?

Em junho de 2014, navegando em áreas desconhecidas, o Banco Central Europeu baixou a sua taxa de juro sobre depósitos. Na verdade, seguiu o exemplo dos bancos centrais de Suíça e Suécia que já haviam feito o mesmo, pouco antes. Entretanto, também o Banco do Japão adotou esta política monetária, baixando para taxas de juro negativas.

Mas, na prática, como é que isto funciona? De que forma é que pode afetar as suas poupanças e créditos? Vai mesmo pagar menos pelos empréstimos que pede? Ou vai incentivá-lo a meter dinheiro “debaixo do colchão”?

Não necessariamente, mas esta pode ser uma das consequências das taxas de juro negativas. No âmbito das taxas de juro negativas, os bancos começarão a ter que pagar uma taxa sempre que quiserem manter depósitos junto do banco central (o Banco de Portugal, por exemplo, denomina-o de facilidade permanente de depósito).

O objetivo é evitar que os bancos mantenham muitas destas reservas “paradas” e, ao invés, façam o crédito fluir para a economia.

Em teoria, os bancos preferirão emprestar e conseguir algum retorno (mesmo a taxas de juro mais reduzidas) do que manter estes depósitos junto ao banco central e pagar por isso. A concorrência entre os bancos para emprestarem os fundos em excesso pode levar a que as taxas de juro em créditos pessoais, cartões de crédito e afins desçam.

Portanto, é provável que a sua prestação desça. E, sim, em certos casos até é possível que alguns emprestadores paguem pelo empréstimo que cedem.

Taxas de juro negativas: prepararo-me para algo mau?
Como dissemos acima, com taxas de juro negativas navega-se em águas desconhecidas. Portanto, como é costumeiro dizer-se, é perfeitamente possível que saia o “tiro pela culatra”. Em primeiro lugar, é natural que os instrumentos de poupança saiam penalizados.

Possuindo um excesso de liquidez de que se querem livrar, os bancos passarão a remunerar menos produtos como os depósitos a prazo. Ou seja, terão menos incentivos para atrair novos depósitos, logo procurarão remunerá-los menos. É até possível que os clientes passem a ter que pagar uma taxa por terem dinheiro depositado no banco.

Em casos extremos, tal até pode levar a uma corrida aos bancos com os depositantes a preferirem guardar o dinheiro “debaixo do colchão” (onde não recebem, mas também não pagam nada) privando as instituições de reservas.

Aqui, o feitiço pode virar-se contra o feiticeiro e com a menor disponibilidade de fundos, as taxas de juro podem voltar a aumentar. Isto porque, se o banco tiver poucos fundos para emprestar, a raridade dos mesmos torná-los-ia mais “caros”.

No entanto, pelo que foi experienciado até ao momento, constata-se que enquanto as taxas de juro negativas forem moderadas, as pessoas preferirão sempre ter o dinheiro no banco. Isto porque, mesmo pagando uma prestação (desde que baixa), ter dinheiro no banco sempre é mais seguro e cómodo que o manter em casa.

Finalmente, e principalmente no crédito à habitação, é possível que, simplesmente os bancos deixem de ceder crédito. Isto porque, este tipo de empréstimo tende a estar indexado à Euribor que é bastante sensível a estas oscilações nas taxas de juro.

Se a Euribor for empurrada para níveis excessivamente negativos, os bancos podem ter que passar a pagar para emprestar. Uma reação das instituições financeiras pode ser de deixar de disponibilizar crédito que lhe traga prejuízo.

A melhor forma para estar preparado é estar informado. Compare as soluções de crédito disponíveis e não deixe de ler os nossos últimos conselhos e novidades.

 

Ler mais
Recomendadas

“O que vai fazer na próxima quinta-feira?”. Microsoft quer formar portugueses na quarentena

A empresa vai promover ações de formação online através de ‘webinars’. O primeiro realiza-se já amanhã, às 10h00.

Cartões contactless com novo limite de 50 euros

Esta medida surge no âmbito da pandemia da COVID 19, procurando assim o Governo alargar e manter as recomendações de distanciamento social, incentivando-se os pagamentos “sem contacto”.

Euribor sobem de novo a três, seis e 12 meses para máximos desde janeiro de 2017

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, avançou hoje para -0,254%, mais 0,036 pontos, um máximo desde pelo menos janeiro de 2017, contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em03 de setembro de 2019.
Comentários