Taxas Euribor caem a 3 meses e mantêm-se a 6 e 12 meses

As taxas Euribor desceram esta terça-feira a três meses e mantiveram a seis e 12 meses, face a segunda-feira.

As taxas Euribor desceram esta segunda-feira a três meses e mantiveram a seis e 12 meses, face a segunda-feira.

A Euribor a três meses desceu ao fixar-se em -0,319%, menos 0,001 pontos do que na segunda-feira, registando-se o atual máximo desde julho em 24 de janeiro (-0,306%) e o atual mínimo de sempre, de -0,332%, em 10 de abril de 2017.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, manteve-se nos -0,258%, contra o atual valor máximo desde julho, de -0,227%, registado em 27 de março, e o atual mínimo de sempre, de -0,279%, verificado pela primeira vez em 31 de janeiro de 2018.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor também se manteve nos -0,178%, contra o atual máximo desde julho, de -0,108%, verificado pela primeira vez em 06 de fevereiro, e o atual mínimo de sempre, de -0,194%, atingido pela primeira vez em 18 de dezembro de 2017.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários