Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.

O futebol espanhol pode já não contar com a presença do português Cristiano Ronaldo, mas não foi por isso que ficou menos atrativo. A empresa de telecomunicações espanhola Telefónica vê no futebol um produto audiovisual estruturado e, por isso, comprometeu-se a investir três mil milhões de euros na primeira e segunda liga de futebol do país durante o ciclo 2019-2022, de acordo com o site “Palco 23“.

Se para a La Liga Santander (primeira liga espanhola), a Telefónica acordou em 2019 investir um total de 2.940 milhões de euros, depois de ter firmado um acordo para financiar a La Liga SmartBank (segunda liga espanhola) em 105 milhões de euros por três épocas desportivas (35 milhões por cada temporada).

Os números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.

A Telefónica já teve contratos para ceder os direitos de transmissão dos jogos aos canais da MediaPro, sob a marca beIN Sports.

Oferta audiovisual sustentada nos ganhos de 2019
Estes números têm por base os resultados relativos a 2019 apresentados pela operadora espanhola na sexta-feira, 20 de fevereiro. A Telefónica obteve um lucro de 1.142 milhões de euros em 2019, menos 65,7% do que em 2018, devido ao plano de saídas voluntárias que afetou 2.600 trabalhadores.

Numa informação ao mercado enviada à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, a empresa sustenta que, excluindo os “impactos extraordinários”, que totalizaram 2.432 milhões de euros, a operadora teria obtido 3.574 milhões de euros em lucros, mais 7,29% do que em 2018.

As receitas caíram 0,6% no último ano, para 48.422 milhões de euros, devido à queda dos negócios na América Latina, apesar do crescimento dos mercados em Espanha, Alemanha e, sobretudo, do Reino Unido. A Telefónica tem 344 milhões de clientes em todo o mundo, tendo a receita média com cada um deles aumentado em 4,3%.

Os resultados operativos antes de depreciações e amortizações (OIBDA) em 2019 totalizaram 15.119 milhões de euros, 2,9% menos do que no período homólogo. A Telefónica anunciou ainda um dividendo de 0,4 euros por ação a pagar em dezembro de 2020 (0,2 euros por ação) e em junho de 2021 (0,2 euros por ação).

Ler mais
Recomendadas

‘Champions’ em Lisboa. RB Leipzig: treinador mais jovem da Liga dos Campeões ‘dá asas’ à marca de 594 milhões

Desde a sua fundação, o clube viu-se envolvido em várias polémicas, tudo devido à sua ligação direta à Red Bull. A empresa de bebidas energéticas é a dona do clube, algo que não foi bem aceite na Alemanha onde tradicionalmente os sócios têm o poder de participar nas decisões dos clubes, devido à famosa regra ‘50+1’.

Turismo de Portugal lança campanha internacional para saudar ‘Champions League’

Esta campanha, designada ‘Portugal. Champios Everywhere’, abrange todo o período da competição, até 23 de agosto, nos meios digitais e redes sociais, representando um investimento de cerca de 150 mil euros”.

Dos 549 milhões para o PIB aos 150 milhões em impostos. Quanto pesa a indústria do futebol em Portugal? Veja o “Jogo Económico”

A nova edição do Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a EY, regista o contributo total desta indústria para o PIB português, as receitas geradas pelas 32 SAD e os impostos arrecadados pelo Estado português a partir do futebol.
Comentários