Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.

O futebol espanhol pode já não contar com a presença do português Cristiano Ronaldo, mas não foi por isso que ficou menos atrativo. A empresa de telecomunicações espanhola Telefónica vê no futebol um produto audiovisual estruturado e, por isso, comprometeu-se a investir três mil milhões de euros na primeira e segunda liga de futebol do país durante o ciclo 2019-2022, de acordo com o site “Palco 23“.

Se para a La Liga Santander (primeira liga espanhola), a Telefónica acordou em 2019 investir um total de 2.940 milhões de euros, depois de ter firmado um acordo para financiar a La Liga SmartBank (segunda liga espanhola) em 105 milhões de euros por três épocas desportivas (35 milhões por cada temporada).

Os números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.

A Telefónica já teve contratos para ceder os direitos de transmissão dos jogos aos canais da MediaPro, sob a marca beIN Sports.

Oferta audiovisual sustentada nos ganhos de 2019
Estes números têm por base os resultados relativos a 2019 apresentados pela operadora espanhola na sexta-feira, 20 de fevereiro. A Telefónica obteve um lucro de 1.142 milhões de euros em 2019, menos 65,7% do que em 2018, devido ao plano de saídas voluntárias que afetou 2.600 trabalhadores.

Numa informação ao mercado enviada à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, a empresa sustenta que, excluindo os “impactos extraordinários”, que totalizaram 2.432 milhões de euros, a operadora teria obtido 3.574 milhões de euros em lucros, mais 7,29% do que em 2018.

As receitas caíram 0,6% no último ano, para 48.422 milhões de euros, devido à queda dos negócios na América Latina, apesar do crescimento dos mercados em Espanha, Alemanha e, sobretudo, do Reino Unido. A Telefónica tem 344 milhões de clientes em todo o mundo, tendo a receita média com cada um deles aumentado em 4,3%.

Os resultados operativos antes de depreciações e amortizações (OIBDA) em 2019 totalizaram 15.119 milhões de euros, 2,9% menos do que no período homólogo. A Telefónica anunciou ainda um dividendo de 0,4 euros por ação a pagar em dezembro de 2020 (0,2 euros por ação) e em junho de 2021 (0,2 euros por ação).

Ler mais
Recomendadas

Futebol: campeonatos nacionais não profissionais concluídos antecipadamente pela FPF

A FPF dá por concluídas as provas desta época, sem atribuir vencedores a estas competições nem se fazendo sentir o regime de subidas e descidas.

“Nunca o modelo americanizado esteve tão próximo”, considera juiz do TAD

Que modelos competitivos vamos ter no contexto do desporto europeu após a pandemia de Covid-19. Jerry Silva, juiz do Tribunal Arbitral do Desporto, considera que está aberto o caminho para a realização de competições fechadas como a SuperLiga europeia.

“Vamos precisar de um Plano Marshall para o futebol”

Luís Miguel Henrique referiu na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, que um corte como aconteceu no FC Barcelona, por exemplo, dificilmente poderia ser replicado num clube da Liga portuguesa. “É difícil que o problema se resolva à escala de cada país, FIFA e UEFA têm meios para ajudar os clubes”, realçou.
Comentários