Telefónica quer renovar com Rafa Nadal mas negociações estão num impasse

Em junho, a Telefónica renegociou um acordo que, na primeira ocasião, era de seis anos, duração que o tenista queria repetir, mas que a operadora tentou encurtar devido aos 34 anos de Nadal, segundo o “La Información”.

Geoff Burke USA TODAY/Reuters

A operadora de telecomunicações espanhola já tinha iniciado as negociações com Rafa Nadal antes do tenista vencer o torneio de Roland Garros. Segundo o portal “Palco 23”, o tenista quer um contrato de longo prazo, algo que a Telefónica está reticente em oferecer.

Desde 2014 que a operadora de telecomunicações patrocina o tenista espanhol, um dos mais bem-sucedidos das ultimas duas décadas. A renovação oferecida antes de Nadal vencer Roland Garros não convenceu o tenista, mas depois deste vencer a mais recente edição do torneio francês, a Telefónica estará disposta a subir a parada.

Em junho, a Telefónica renegociou um acordo que, na primeira ocasião, era de seis anos, duração que o tenista queria repetir, mas que a operadora tentou encurtar devido aos 34 anos de Nadal, segundo o “La Información”.

Até que a renovação seja consumada, as parcerias entre a empresa e o atleta não sofrerão constrangimentos, uma vez que a Telefónica continua a ser fundamental para o projeto da academia de ténis de Rafa Nadal que abriu portas em 2016.

O primeiro acordo fez do tenista a imagem da marca corporativa da Telefónica, bem como de outras marcas da operadora, como a Movistar em Espanha e na América do Sul, da O2 no Reino Unido e Alemanha e da Vivo no Brasil.

Recomendadas

Web Summit. Tóquio2020 vão ser os primeiros Jogos da 4.ª revolução industrial, realça COI

Com medalhas feitas com material eletrónico reciclado, veículos sem condutor com zero emissões poluentes, a rede de quinta geração (5G), a realidade aumentada e a robótica, Tóquio2020 vai “exibir universalidade, sustentabilidade e tecnologia”, e dará uma “mensagem de esperança e resiliência” ao mundo”, assinalou Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), na Web Summit.

UEFA estima perdas de receitas entre seis e 8,5 mil milhões de euros para 2020 e 2021

Andrea Traverso, diretor financeiro do órgão que tutela o futebol europeu deixa ainda o aviso aos principais clubes europeus. “Não podem continuar a pagar os mesmos salários que pagavam antes da pandemia, porque as receitas caíram abruptamente”.

Clubes-Empresa: que ameaças e oportunidades representam? Veja o “Jogo Económico”

Que ameaças e oportunidades se colocam estes investimentos, sobretudo num contexto de crise económica? Este vai ser um dos temas do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, desta semana.
Comentários