Telemóvel na sala de aula: sim ou não?

Os prós e contra do telemóvel em contexto escolar vão ser analisados na segunda edição do ciclo de conferências EDUTalks, que se realiza a 15 de novembro, no Teatro Thalia, em Lisboa.

Os telemóveis podem ser vistos como ferramentas de trabalho em contexto escolar ou como fatores distrativos e de criação de possíveis conflitos e dependências. São cara e coroa da mesma moeda. É sobre este tema que vai incidir a próxima edição da EDUTalks, ciclo de conferências públicas de discussão de ideias focadas em temas transversais à Educação, promovidas pelo EDULOG, think tank da Educação da Fundação Belmiro de Azevedo.

O debate contará com a presença de professores, investigadores, clínicos e especialistas na temática em que uns são favoráveis e outros contra. A favor da utilização dos telemóveis em contexto de sala de aula estarão Eduarda Ferreira, da EU Kids Online Portugal, João Couvaneiro, da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, e Filinto Lima, da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas. Entre os oponentes à utilização figuram João Trigo, do Colégio Efanor, Júlia Vinhas, do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil, e Ivone Patrão, clínica do ISPA.

A conferência, começa às 14h30, é aberta ao público, podendo os interessados inscrever-se no site da EDULOG.

 

Recomendadas

Portugueses entre os professores que mais ganham no ensino básico na OCDE

O conjunto completo de dados da OCDE revela uma grande lacuna entre os professores com maior e menor remuneração em todo o mundo. Portugal ocupa a 10º posição do ranking de remunerações anuais para professores do ensino básico.

O mercado acionista de A a Z

Os mercados acionistas utilizam uma terminologia própria. Para ajudar a compreender os conceitos e apoiar os investidores, a Euronext construiu um glossário, que explica o essencial.

Global trends: O que o consumidor procura em 2019

O comportamento dos consumidores mudou e quer adaptar-se aos tempos modernos. Das escolhas mais conscientes à fuga do online, estas são as principais tendências para 2019.
Comentários