Telemóvel na sala de aula: sim ou não?

Os prós e contra do telemóvel em contexto escolar vão ser analisados na segunda edição do ciclo de conferências EDUTalks, que se realiza a 15 de novembro, no Teatro Thalia, em Lisboa.

Os telemóveis podem ser vistos como ferramentas de trabalho em contexto escolar ou como fatores distrativos e de criação de possíveis conflitos e dependências. São cara e coroa da mesma moeda. É sobre este tema que vai incidir a próxima edição da EDUTalks, ciclo de conferências públicas de discussão de ideias focadas em temas transversais à Educação, promovidas pelo EDULOG, think tank da Educação da Fundação Belmiro de Azevedo.

O debate contará com a presença de professores, investigadores, clínicos e especialistas na temática em que uns são favoráveis e outros contra. A favor da utilização dos telemóveis em contexto de sala de aula estarão Eduarda Ferreira, da EU Kids Online Portugal, João Couvaneiro, da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, e Filinto Lima, da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas. Entre os oponentes à utilização figuram João Trigo, do Colégio Efanor, Júlia Vinhas, do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil, e Ivone Patrão, clínica do ISPA.

A conferência, começa às 14h30, é aberta ao público, podendo os interessados inscrever-se no site da EDULOG.

 

Recomendadas

WiZink lança Unido, a primeira app em Portugal aberta a todos utilizadores

A app gratuita funciona de forma independente, está aberta e disponível para todos os utilizadores, independentemente das entidades financeiras em que sejam clientes.

Sabia que é possível resolver conflitos de consumo através da internet?

Encomendar produtos em sites com sede em qualquer ponto da Europa já não é uma compra sem rede. A plataforma RLL, um sítio interativo, gratuito, acessível em todas as línguas oficiais do espaço europeu, gerida pelo Centro Europeu do Consumidor, pode apoiá-lo em caso de conflito.

Simulador: saiba quanto custam os seguros mais importantes

O simulador surge para ajudar os cidadãos a identificar as fragilidades que possam ser geradoras de alterações na normalidade da vida, como por exemplo, danos em casa, acidentes pessoais, doenças graves, invalidez ou a preparação da reforma.
Comentários