Tem dúvidas sobre financiamento alternativo? Crowdfunding estará em debate na SRS

A sociedade SRS Advogados e a publicação “LinktoLeaders” abordarão as “Modalidades de financiamento para startups”, o “Regime de Crowdfunding e regulação” e “Lending vs Equity Crowdfunfing”.

A SRS Advogados e a “LinktoLeaders” organizam no próximo dia 6 de dezembro, no auditório da sociedade, em Lisboa, um seminário sobre o regime de crowdfunding enquanto meio alternativo para financiamento de startups.

O evento colocará em cima da mesa temas como: “Modalidades de financiamento para startups”, o “Regime de Crowdfunding e regulação” (CMVM) e “Lending vs Equity Crowdfunfing” (Seedrs / GoParity / RedAngels).

“Este seminário pretende dar a conhecer o enquadramento legal destes meios alternativos de financiamento, abordar as oportunidades e identificar os principais erros de quem procura o crowdfunding”, afirma o sócio da SRS Paulo Bandeira, também responsável pelo Startup Lab.

Relacionadas

O escritório de advogados com 25 anos que apoia boas ideias, conceitos e startups

A SRS Advogados, a celebrar 25 anos, é um escritório internacional. Conheça neste – Quem é Quem na Advocacia de Negócios em Portugal – a Sociedade que entende a empresa no seu todo, trabalha com grandes empresas, e também com startups.
Recomendadas

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.

“Falar Direito”: Veja aqui o programa desta semana

O programa de advocacia do Jornal Económico, “Falar Direito”, recebe nesta edição Vítor Marques da Cruz, sócio fundador da MC&A, que fala sobre o trabalho desenvolvido em África. Desde 2012 este escritório assessorou negócios no valor de 2,5 mil milhões de euros em Angola.
Comentários