“Tenho a expectativa de que maioria irá votar contra”, diz CEO dos CTT sobre a nacionalização

Esta quinta-feira, às 15 horas, os deputados vão debater e votar projetos de lei do PCP (para estabelecer o regime de recuperação do controlo público dos CTT), do Bloco de Esquerda (para proceder à nacionalização) e do PEV (para reverter a privatização).

Cristina Bernardo

Na véspera da Assembleia da República debater três propostas de partidos da esquerda política para nacionalizar os CTT-Correios de Portugal, o presidente executivo da empresa mostrou-se confiante que a maioria dos deputados irá rejeitar os projetos.

Esta quinta-feira, às 15 horas, os deputados vão debater e votar projetos de lei do PCP (para estabelecer o regime de recuperação do controlo público dos CTT), do Bloco de Esquerda (para proceder à nacionalização) e do PEV (para reverter a privatização).

“Estar aqui a fazer futurologia sobre como os deputados vão votar não me compete, mas do que ouvi das declarações, a começar pelas do primeiro-ministro sobre o que é que pensava sobre esse assunto neste momento, tenho uma expetativa de que a maioria do Parlamento votará contra essas iniciativas”, afirmou Francisco Lacerda, CEO dos CTT, em conferência de imprensa.

 

Relacionadas

“Os CTT não prestam informação enganosa, nem mentem”, diz Francisco Lacerda

Os CTT apresentaram hoje resultados anuais ao mercado, mas o conflito entre a empresa e a Anacom não foi esquecido na conferência de imprensa.

Lucro dos CTT caiu 28% em 2018 penalizado por custos de rescisões

As receitas da empresa liderada por Francisco Lacerda foram penalizadas pela quebra dos serviços financeiros e as indemnizações pagas no âmbito do programa de transformação operacional. Ao nível do EBITDA, os números foram estáveis face aos de 2017,

Sindicato dos trabalhadores dos correios apela à renacionalização dos CTT

“É urgente a renacionalização dos CTT”, pode ler-se no comunicado, que defende a “reversão da privatização dos CTT” como “solução para haver um serviço postal de qualidade e universal”.
Recomendadas

“O sports betting pode tornar-se incompatível com uma série de marcas”

Na última edição do programa “Mercados em Ação”, Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, qualificou como inevitável o caminho das fantasy leagues para uma plataforma de sports betting.

AEP insiste na internacionalização em três frentes simultâneas

Dubai, México e Senegal são as geografias onde, esta semana, A Associação Empresarial de Portugal leva empresas interessadas em aumentar a sua exposição aos novos mercados.

CEO da RealFevr: “Temos 60 mil pessoas por semana a jogar na nossa plataforma”

Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, esteve na última edição do “Mercados em Ação” e referiu que com 250 mil utilizadores ativos e 60 mil pessoas a jogar semanalmente, “não faz sentido que a plataforma não evolua para o deliver de conteúdos”.
Comentários