Tensões comerciais penalizam Wall Street

O sentimento do mercado foi penalizado pelo desconforto criado pelos Estados Unidos que aprovaram legislação em benefício dos residentes de Hong Kong, aumentando as tensões com a China.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 3, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Os três principais índice de Wall Street encerram a sessão em queda, numa sessão que encerrou mais cedo que o normal.

Esta sexta-feira, o S&P 500 cedeu 0,34%, para 3.142,80 pontos; o tecnológico Nasdaq perdeu 0,46%, para 8.665,47 pontos; e o industrial Dow Jones caiu 0,41%, para 28.047,38 pontos.

O sentimento do mercado foi penalizado pelo desconforto criado pelos Estados Unidos que aprovaram legislação em benefício dos residentes de Hong Kong, aumentando as tensões com a China.

O índice Philadelphia Semiconductor, sensível à evolução das relações comerciais entre as duas maiores potências económicas mundiais, perdeu 0,8%.

Os títulos da Nvidia caíram 0,69%, os da Qualcomm perderam 1,47%. Noutros setores, também a Caterpillar cedeu 0,66%.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. O Brent perde 2,27%, para 52,42 dólares. Nos EUA, o West Texas Intermediate desvaloriza 4,44% para 55,53 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Black Friday não impulsiona abertura de Wall Street

O frenesim do consumo já começou nos Estados Unidos, no dia de Ação de Graças. Os norte-americanos gastaram valores recorde, quatro mil milhões de dólares no total. E, segundo os dados da Adobe, as vendas online subiram 19% face ao ano passado.
Recomendadas

Credores privados dizem que cobrar juros é essencial para manter ‘ratings’ 

Em causa está a assunção por parte de algumas agências de ‘rating’, como por exemplo a Moody’s, de que se os credores receberem menos do que o inicialmente contratualizado, isso configura um incumprimento financeiro, independentemente das razões e mesmo com o acordo dos credores.

Dados surpreendentes do emprego deram gás a Wall Street

Na última sessão da semana o Dow Jones disparou 3%, mas o recordista foi o tecnológico Nasdaq. O ‘rally’ deveu-se aos ganhos da banca e das companhias aéreas e de cruzeiros, das mais penalizadas durante o confinamento.

CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.
Comentários