Teófilo Cunha diz que a Madeira “não pode ficar alheia” a desafios da economia do mar

O secretário regional do Mar e Pescas defendeu que a região autónoma deve utilizar os seus recursos naturais de forma sustentada através da diversificação de modo a gerar riqueza para a população e para quem visita encontrar uma região evoluída.

O secretário regional do Mar e Pescas, Teófilo Cunha, diz que a Madeira e o país “não podem ficar alheios” aos desafios da Zona Económica Exclusiva, durante a apresentação do LEME: barómetro da PwC da Economia do Mar que decorreu na região autónoma.

“Os contributos das entidades privadas permitirão tomar as melhores decisões por parte de quem tem a obrigação de governar a Região, mas são também importantes para os diversos agentes económicos que queiram realizar investimentos na economia do mar”, referiu o governante durante a sua intervenção.

Teófilo Cunha sublinhou ainda a aposta que o executivo madeirense tem feito na economia no mar através: atividades marítimo-turísticas, o turismo costeiro, o turismo de cruzeiro, o transporte marítimo de mercadorias, o Registo Internacional de Navios, o conhecimento, a investigação e a formação, as pescas.

O governante defendeu que a região autónoma deve utilizar os seus recursos naturais de forma “sustentada” através da diversificação de modo a gerar riqueza para a população e para quem visita encontrar uma região evoluída.

Recomendadas

Funchal leva cultura para ambiente online

Estão programados 40 eventos, entre abril e maio, em ambiente online.

Funchal reforça aquisição de material médico-veterinário para animais

Entre o material adquirido está vacinas, desparasitantes diversos para cães e gatos, e também outros medicamentos e equipamentos, como chips, seringas e agulhas.

IVBAM suspende até junho taxas de ocupação de espaço em depósito

O conselho de Governo determinou também o estabelecimento de um acordo de cooperação com a Madeira Air Integrated Solutions (MAIS), até aos 600 mil euros, para estimular a expedição dos produtos da agricultura, das pescas e do agroalimentar que reúnam vantagens competitivas nos mercados exteriores da região.
Comentários