Teresa Morais sai da “linha da frente” de um PSD onde “só cabem amigos e acólitos subservientes”

A ex-secretária de Estado da Igualdade (e efémera ministra da Cultura) Teresa Morais anunciou que não irá integrar as listas do PSD nas eleições legislativas de 6 de outubro, assumindo uma total rutura com a liderança de Rui Rio. “Não quero ter rigorosamente nada em comum com quem está a definhar o meu partido, a […]

A ex-secretária de Estado da Igualdade (e efémera ministra da Cultura) Teresa Morais anunciou que não irá integrar as listas do PSD nas eleições legislativas de 6 de outubro, assumindo uma total rutura com a liderança de Rui Rio. “Não quero ter rigorosamente nada em comum com quem está a definhar o meu partido, a excluir em vez de acrescentar, a tornar o PSD num partido ‘maneirinho e homogéneo'”, escreveu a atual deputada pelo círculo de Leiria nas redes sociais.

Foi justamente a despedida, “grata e reconhecida, da minha gente de Leiria”, que levou Teresa Morais a considerar nesta segunda-feira que “era chegado o momento de uma clarificação”, assumida pela deputada. “O Dr. Rui Rio e eu estamos, finalmente, em sintonia em alguma coisa: ele não conta comigo e eu não conto, seguramente, com ele. Fica assim claro que eu, com toda a serenidade, me retirarei da linha da frente do partido com uma coincidência assinalável de pontos de vista”, escreveu no Facebook.

Teresa Morais acusa Rui Rio de rejeitar “o contributo dos ditos ‘passistas’, como rejeitou desde sempre o legado de Pedro Passos Coelho, acrescentando que não se consegue rever no “partido mediano e ideologicamente puro, onde só cabem amigos e acólitos subservientes”.

Cabeça de lista da coligação Portugal à Frente pelo círculo de Leiria nas legislativas de 2015, à frente da atual presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, Teresa Morais também foi deputada na IX e XI legislaturas. Chegou a ser vice-presidente do grupo parlamentar do PSD e, já durante a liderança de Passos Coelho, vice-presidente da Comissão Política Nacional.

Relacionadas

Rui Rio queixa-se de “um nível de incompreensão muito grande” face às suas propostas

O líder da oposição quer que a economia afine o desenvolvimento económico pelo investimento produtivo e pelas exportações, e não pelo consumo. Mas isso é “a parte fácil”. A parte política é que é difícil.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Marques Mendes: “Uma vez mais o PS divide o país em dois, o da função pública e o do privado”

O comentador abordou ainda a passagem de Armando Vara pelo parlamento, dizendo que foi “mais do mesmo”, e que revelou um homem “confuso, baralhado e descolado” da realidade.
Recomendadas

AEP quer garantias de que o PNI 2030 é mesmo para cumprir

Planos que nunca saíram do papel e programas que suspensos antes de chegarem ao fim são comuns em Portugal, Sendo assim, Luís Miguel Ribeiro quer um ‘acordo de regime’ para que o Programa Nacional de Investimentos 2030 não siga o mesmo caminho.

“Há quem não desista”. António Costa abre debate na generalidade com recados ao Bloco de Esquerda

Sem nomear diretamente os bloquistas, o líder do Executivo socialista saudou os partidos à esquerda, as duas deputadas não inscritas e o PAN por viabilizarem o documento e sublinhou: “a votação na generalidade é a votação da clarificação política”.

Em novo pingue-pongue com o PS, BE deixa a porta aberta para “rever posição” na votação final

Por seu lado, João Paulo Correia socorreu-se do argumento também defendido pela ministra do Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e considerou que quem vota contra “não está interessado em melhorar o Orçamento na especialidade”.
Comentários