Terra brilha mais do que nunca e cientistas alertam para potenciais perigos

A imagem da NASA, capturada pelo satélite Suomi NPP e pela agência espacial meteorológica NOAA, revelou a poluição luminosa visível do espaço durante a noite.

Uma imagem da NASA, divulgada em 2012, foi utilizada por um grupo de investigadores europeus e norte-americanos para provar que a Terra brilha mais do que nunca e que isso pode ser prejudicial.

De acordo com um estudo, publicado na quarta-feira pela Science Advances, a área iluminada do planeta aumentou 2,2% entre 2012 e 2016. Ao El País, Christopher Kyba, principal autor do estudo, afirmou que “as noites na Terra estão cada vez mais brilhantes”.

O trabalho assinado pelo cientista do Centro Alemão de Pesquisa em Geociências, em Potsdam, aponta para um notório aumento das áreas iluminadas, principalmente em regiões da América do Sul, África e sudeste asiático. Mas também indica uma ligeira diminuição na iluminação de países como Estados Unidos, Itália ou Holanda, devido ao investimento feito na iluminação por díodo emissor de luz (LED). E é por esse aumento na iluminação artificial LED que Kyba alerta para futuros problemas.

O aumento de luz artificial pode prejudicar a “flora, fauna e bem-estar humano”, visto que o aumento do uso de iluminação LED cria ambientes de luz azul, que interferem com a produção da hormona que induz o sono, a melatonina.

As luzes artificiais também reduzem a atividade de polinização de insetos e interferem com as migrações das aves notívagas. Acresce ainda o facto de as árvores florescerem mais cedo nas zonas mais iluminadas.

 

Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários