Testes rápidos que Espanha comprou à China não funcionam

O problema detetado pelas autoridades de saúde espanholas significa que “os testes não são válidos porque dão muitos falsos negativos”, indicam as autoridades de Madrid, os primeiros a receber o primeiro lote de testes rápidos encomendados.

O Ministério da Saúde de Espanha comprou alguns materiais sanitários à China, entre os quais se encontram os testes de análise ao novo coronavírus que as autoridades afirmam não funcionar corretamente, afirma o ‘El Mundo’. O Governo de Pedro Sánchez disponibilizou 432 milhões de euros para a compra de materiais sanitários.

Estes testes estão a apresentar uma sensibilidade de cerca de 30%, quando deveria ser acima dos 80%. Desta forma, o problema detetado pelas autoridades de saúde espanholas significa que “os testes não são válidos porque dão muitos falsos negativos”, indicam as autoridades de Madrid, os primeiros a receber o primeiro lote de testes rápidos encomendados.

“Muitos pacientes que testem positivo na PCR [teste de referência, que demora mais tempo], acusam negativo nestes testes rápidos”, sublinham as autoridades madrilenas.

Assim, as autoridades da Comunidade de Madrid denunciaram que estes testes distribuídos são inúteis e que “não valem nada”. “Deram-nos oito mil testes sem os validar e, graças à prudência do Ministério da Saúde, não se realizou nenhuma distribuição maciça”, de forma a indicar falsos negativos e a propagação continuar.

No domingo passado, o Ministério da Saúde anunciou o início da distribuição de 640 mil testes de deteção rápida e os primeiros oito mil a serem distribuídos foram para a Comunidade de Madrid, sendo que o ministro da Saúde espanhol afirmou que o país iria receber, ainda esta semana, um milhão de novos testes.

Relacionadas

Covid-19. Espanha regista mais 655 mortes nas últimas 24 horas

Depois de ontem se ter verificado um ligeiro abrandamento face ao dia anterior, Espanha voltou a registar um aumento no número de mortes, sendo que o máximo registado em 24 horas foi de 738 óbitos.
São Marino

Covid-19: Microestados europeus são os que têm mais casos por habitante e Suíça ultrapassa Itália

Peso dos infetados no total da população é especialmente elevado em São Marino, Vaticano, Ilhas Faroé, Andorra, Islândia, Luxemburgo e Liechtenstein. Nesta quarta-feira Portugal era o 24.º país com mais diagnosticados por milhão de habitantes e o 15.º país com maior número de mortes em relação ao número de habitantes.

Covid-19: Vírus já matou mais de 20 mil pessoas

A pandemia do novo coronavírus matou já pelo menos 20.599 pessoas em todo o mundo desde seu aparecimento em dezembro na China, segundo um balanço efetuado esta quarta-feira, às 19:00, pela agência AFP através de fontes oficiais.
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Itália regista 760 óbitos nas últimas 24 horas e um aumento ligeiro no número de casos confirmados

As autoridades de saúde italianas reportaram no relatório desta quinta-feira mais 760 mortes nas últimas 24 horas, mais 33 vítimas mortais do que ontem.
Comentários