Theresa May com nova proposta do Brexit ‘na manga’

A primeira ministra britânica antecipou que está a preparar uma “nova oferta” aos deputados da oposição numa tentativa de aprovar o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, que foi já foi rejeitado três vezes.

Reuters

As fases finais do “Brexit”, que terão início no palco parlamentar na primeira semana de junho, vão incluir a apresentação de “um pacote melhorado de medidas”, disse a chefe do governo britânico num artigo publicado pelo “The Sunday Times”.

Essa legislação, cujos detalhes ainda não foram publicados, vai trazer de volta os termos de saída da União Europeia (UE) que o governo aprovou juntamente com Bruxelas em novembro passado. Esta será a quarta vez que é apresentada uma nova proposta em nome do “Brexit”.

May garantiu que o diploma “vai representar uma proposta nova e ousada”, com um “pacote melhorado de medidas” que a chefe de governo acredita que podem ganhar mais apoios em toda a Câmara dos Comuns.

“Não vou simplesmente pedir aos deputados que reconsiderem outra vez [o mesmo acordo]. Pelo contrário, vou pedir-lhes que olhem para um acordo novo e melhorado com outro olhar – e para lhe darem o seu apoio”, vincou.

“Vou pedir-vos (os deputados) que avaliem um novo e melhorado acordo, para fazerem-no com um olhar renovado e darem o seu apoio”, disse May. “Eu ainda acredito que é possível formar uma maioria no Parlamento para sair [da UE] com um acordo”, sublinhou a primeira-ministra em entrevista.

Embora as conversas com o Partido Trabalhista para tentar obter o apoio da oposição tenham sido suspensas na semana passada, a líder conservadora assegura que esta última reunião a ajudou a “entender muito melhor o que é necessário para que um acordo possa ser aprovado”, cita o jornal britânico.

Jeremy Corbyn declara fim das negociações do Brexit

“Muitos deputados trabalhistas realmente querem materializar o “Brexit””, explicou Theresa May acrescentando que o governo e o principal partido da oposição encontraram um ponto comum em questões como “direitos e proteções para os trabalhadores, o meio ambiente e a segurança”.

Esta será a quarta vez que o governo britânico vai tentar obter junto do parlamento a aprovação necessária para ratificar o acordo de saída do Reino Unido da UE negociado com Bruxelas, depois de três chumbos, por margens de 230, 149 e 58 votos.

Ler mais
Relacionadas

“É claro que vou”. Boris Johnson vai anunciar candidatura para liderar ‘Conservadores’

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, anunciou que vai concorrer à liderança do Partido Conservador depois de Theresa May se demitir.

Conservadores preparam saída de May ante a paralisia do Brexit

Os Conservadores britânicos já estão no período pós-Theresa May, face à evidência de que o Brexit está bloqueado. E o mais estranho de tudo é que parece haver quem queira substituir a primeira-ministra.

15 multimilionários britânicos já ganharam 25 mil milhões de euros desde a aprovação do Brexit

Os ganhos dos super ricos contrastam com a estagnação económica e as incertezas políticas e sociais que se vivem atualmente no Reino Unido face ao Brexit.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários