Tiago Mayan: “Falta um presidente que ponha mão neste Governo”

Questionado sobre em que aspetos falhou o atual Presidente da República, o candidato presidencial pela Iniciativa Liberal falou de “Pedrogão, Tancos, Reguengos de Monsaraz, o milagre português: isto representa um eixo de colaboracionismo com este Governo”.

Tiago Mayan, candidato à Presidência da República com o apoio da Iniciativa Liberal”, referiu esta segunda-feira que “falta um Presidente que ponha mão neste Governo”, em entrevista à TVI.

“O meu sonho para Portugal será o de devolver o poder aos cidadãos”, realçou o candidato presidencial. Para Tiago Mayan “os portugueses estão muito limitados nas suas capacidades de escolha e de agir, com um Estado que bloqueia as escolhas do cidadão ao nível na Saúde e Educação”. Considera este candidato que se “vê uma deriva cada vez mais autoritária por parte do Governo e a falta de um presidente que ponha mão neste Governo”.

Em entrevista à TVI, Tiago Mayan referiu que “a crise, que era pandémica, é agora uma crise económica”. Realçou o candidato que “um Estado de Emergência não pode ser uma ambulância em emergência que atropela pessoas para salvar outras. O foco têm que ser medidas de saúde pública, oferta de saúde total e devia ter havido negociação com os privados há mais tempo. Estão agora a formar pessoal médico e parece-me tarde para isso”.

Questionado sobre em que aspetos falhou o atual Presidente da República, Tiago Mayan falou de “Pedrogão, Tancos, Reguengos de Monsaraz, o milagre português: isto representa um eixo de colaboracionismo com este Governo”. O candidato referiu que “a recandidatura de Marcelo é o tabu menos tabu deste país, a estratégia que Marcelo montou para ser reeleito foi a de colaborar com o Governo. Serve de porta-voz para a narrativa deste Governo”.

(em atualização)

Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

PS pede a PSD que evite “aproveitamento partidário” da pandemia

“Temos de evitar que haja tentativas de aproveitamento partidário numa circunstância especialmente difícil, dramática, da nossa vida coletiva”, disse à agência Lusa o dirigente socialista, respondendo, assim, a Rui Rio, que pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para encerrar as escolas a partir de quinta-feira, de modo a conter a propagação do SARS-CoV-2.
Comentários