Todos merecem uma oportunidade

Literacia Digital para o Mercado de Trabalho é um curso pioneiro lançado pelo Politécnico de Santarém. Objetivo? Integrar jovens com deficiência intelectual.

Palácio das Laranjeiras, Lisboa. A Literacia Digital para o Mercado de Trabalho traz à capital os alunos deste curso pioneiro, destinado a pessoas com deficiência intelectual, lançado pela Escola Superior de Educação do Politécnico de Santarém.
Os alunos apresentam a Manuel Heitor, no Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, os trabalhos práticos que fazem nas suas aulas. A presença do ministro deixa Luísa visivelmente emocionada. Miguel, outro dos alunos, explica a Manuel Heitor como são os exercícios que podem melhorar as suas capacidades motoras. Mais tarde, Maria e Pedro dirão como desenvolveram o seu projeto de construção de perfis profissionais, enquanto Helena e Teresa falam dos novos conceitos de aprendizagem que lhes estão a mudar a vida.
Lançado no ano letivo 2018/2019, o curso de Literacia Digital para o Mercado de Trabalho não confere grau mas responde a todas as diretivas do Conselho Nacional de Educação, o que lhe dá certificação legal. Trata-se de uma formação inclusiva, destinada a quem normalmente não tem essa oportunidade e pretende ser uma ferramenta para a integração dos jovens no mercado de trabalho.
Os critérios de seleção exigem a apresentação de um atestado de incapacidade igual ou superior a 60%, competências básicas mínimas ao nível da leitura e da escrita e competência média/alta em termos de sociabilidade. Os candidatos serão ainda submetidos a uma entrevista de avaliação psicopedagógica.
O curso conta com parcerias com instituições, nomeadamente o projeto Ler+ Ciência – uma iniciativa conjunta do Plano Nacional de Leitura, da Fundação Calouste Gulbenkian e da Ciência Viva – e empresas, como El Corte Inglês, Galp, Microsoft e Super Bock.
O lançamento deste modelo de formação inclusiva em contexto de ensino superior valeu à Escola de Santarém o primeiro prémio no Seminário Internacional “Educação Inclusiva – Atitudes que Transformam”, em setembro último.
O curso pretende “colmatar uma lacuna na oferta formativa em Portugal, minimizando a falta de formação profissional adaptada”.
No Palácio das Laranjeiras, Susana Colazo, porta-voz do IP Santarém disse o que lhe ia na alma: “Temos estado todos envolvidos e comprometidos com este projeto, estamos muito orgulhosos desta instituição”.

Recomendadas

Os caminhos da recuperação empresarial

Com a perspetiva do aumento das insolvências, vários mecanismos visam a celeridade e eficiência na recuperação de empresas.

Via extrajudicial continua sem ter interessados

O RERE foi criado como alternativa à vida judicial, mas não tem tido a adesão empresas. Associação de mediadores diz que falta informação.

“Numa situação de crise profunda, as empresas confrontam-se com um sistema claramente pró-credor”

Os mecanismos para a recuperação de empresas em Portugal estão desajustados, numa altura em que é expectável que as dificuldades se avolumem, com o fim dos programas de apoio e das moratórias para atenuar os efeitos da crise pandémica.
Comentários