Tomada de posse de Moedas: Rui Rio diz que próximos tempos vão ser “difíceis” para autarca de Lisboa

Rui Rio, que também já liderou a Câmara do Porto no seu primeiro mandato sem maioria absoluta, garante ser preciso “fazer mais equilíbrios num contexto em que conhecemos menos a realidade”.

Flickr/PSD

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, admitiu que os próximos tempos iriam ser “difíceis” para Carlos Moedas, que toma p0osse enquanto presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) esta segunda-feira.

À chegada ao evento da tomada de posse de Carlos Moedas, Rui Rio frisou que os próximos tempos de Carlos Moedas vão ser “obviamente tempos difíceis na câmara internamente e de preparação de uma equipa capaz de responder depois”.

“Já tive oportunidade de estar com ele numa reunião relativamente longa, justamente por causa disso , pela experiencia que eu tenho, naquilo que agora lhe vai acontecer. Portanto, dei-lhes muitos conselhos fruto da minha experiência enquanto autarca

Segundo Rui Rio será “obviamente é mais difícil” para Carlos Moedas liderar a CML, sendo que ganhou com 34% dos votos. Por sua vez, Fernando Medina, que já optou afastar-se da autarquia, obteve 33%. A CDU, a junção do PCP com o PEV, elegeu dois vereadores e o BE elegeu uma vereadora.

“É preciso fazer mais equilíbrios num contexto em que conhecemos menos a realidade como é evidente. Eu já conheço bem a realidade, no principio conhecemos menos”, destacou Rui Rio. De recordar que o social democrata liderou a câmara do Porto durante doze anos e no seu primeiro mandato venceu igualmente sem ter conseguido maioria absoluta.

 

 

,

 

 

Relacionadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

Carlos Moedas toma posse na Câmara de Lisboa com cinco grandes desafios no horizonte (com áudio)

Governar sem maioria, distribuir responsabilidades por poucos vereadores, pôr em prática um programa eleitoral ambicioso, reverter a perda de população e conciliar conceitos de mobilidade são desafios que o novo presidente da Câmara de Lisboa enfrentará a partir de hoje e durante os próximos quatro anos.

Fernando Medina é apenas um dos 12 membros da vereação a dizer adeus à Câmara de Lisboa

Nenhum dos seis vereadores eleitos em 2017 pelo CDS e pelo PSD integra a vereação que será presidida por Carlos Moedas nos próximos quatro anos. Na oposição de esquerda, João Paulo Saraiva, Paula Marques, Miguel Gaspar, João Ferreira e Ana Jara são os únicos que transitam do anterior executivo.
Recomendadas

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.

“Expresso”: Rio deixa PS “inquieto”

“Ele era um líder apagado, mas agora esteve um mês a aparecer todos os dias — e ganhou de maneira surpreendente. Agora, a dúvida das pessoas é esta: será que o Rio é capaz?”, refere um “notável” socialista ouvido pelo semanário.

PR aceita exoneração e substituição por Francisca van Dunem no MAI

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa aceitou esta sexta-feira as propostas do primeiro-ministro para a exoneração do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e para a sua substituição pela ministra da Justiça, Francisca van Dunem, que acumulará funções.
Comentários