Topo da Agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do Banco Central Europeu é o grande evento da semana, com a perspetiva de um aumento do programa de compra de ativos. Os dados do desemprego nos dois lados do Atlântico vão também estar em foco.

Segunda-feira, 1 de junho

Evento em destaque: Banco de Portugal divulga dívida pública em abril

A pandemia de Covid-19 deverá impulsionar 0 rácio da dívida pública para 131,6% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, segundo as projeções de Bruxelas. O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou a 7 de maio que “não temos por que temer isso” e que a subida representaria um regresso aos valores de 2016.

A 21 de maio, o Banco de Portugal revelou que o rácio da dívida pública aumentou para 120,3% no final de março, mais 2,6 pontos percentuais do que a registada no final de dezembro do ano passado. O banco central divulga esta segunda-feira os números brutos da dívida pública de abril. Em março a dívida pública caiu para 254,8 mil milhões de euros, menos 600 milhões de euros do que em fevereiro, ainda não refletindo os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

Outros eventos em foco:

  • Insituto Nacional de Estatística (INE) publica Índices de Produção Industrial em abril
  • Caixin divulga índice PMI da manufactura em maio

 

Terça-feira, 2 de junho

Evento em destaque: INE publica estimativas mensais de emprego e desemprego

O aumento do desemprego vai ser uma das principais consequências económicas da pandemia de Covid-19. Segundo o Orçamento Suplementar que o Governo vai apresentar na primeira quinzena de junho, a taxa de desemprego deverá disparar para 10% este ano. Os dados divulgados até agora este ano incidiram sobre o primeiro trimestre, quando a taxa de desemprego permanceu inalterada nos 6,7%. Esses dados não refletiam ainda o forte impacto da pandemia, portanto as estimativas do INE irão mostar como o confinamento afectou o mercado laboral em abril.

Outros eventos em foco:

  • Lufthansa apresenta resultados do primeiro trimestre
  • Espanha divulga taxa de desemprego em abril
  • IHS Markit publica índices PMI da manufactura em Espanha e Itália em maio

 

Quarta-feira, 3 de junho:

Evento em destaque: Eurostat divulga desemprego na zona euro e UE em abril

O disparo do desemprego não é um problema exclusivo a Portugal. Segundo as projeções da primavera divulgadas pela Comissão Europeia, a taxa de desemprego na zona europeia deverá subir para 9,5% este ano de 7,5% em 2019, enquanto na União Europeia a 27 deverá ascender a 9%, de 6,7% em 2019. Os últimos dados do Eurostat foram relativos a março, quando o desemprego na zona euro subiu ligeiramente para 7,4% de 7,3% em fevereiro.

Outros eventos em foco:

  • Itália divulga taxa de desemprego em março
  • Caixin publica índice PMI de serviços em maio
  • Alemanha divulga pedidos de subsídio de desemprego em maio
  • IHS Markit publica leitura final dos índices PMI de serviço e compósitos de maio
  • EIA divulga stocks de combustíveis nos EUA na semana que terminou a 29 de maio

 

Quinta-feira, 4 de junho:

Evento em destaque: Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE)

O BCE lançou a ‘bazuca’ de 750 mil milhões de euros, o Pandemic Emergency Purchase Programme (PEPP) e começou a comprar ativos a um ritmo mais acelerado do que esperado. Christine Lagarde disse na semana passada que a recessão na zona euro deverá ficar entre os 8% e os 12% e, na última reunião, o Conselho de Governadores afirmou que está pronto a aumentar o volume de compras se for necessário. A maioria dos analistas acredita que o BCE irá esta quinta-feira adicionar 500 mil milhões de euros ao PEPP, mas não há certezas e muitos dizem que o aumento pode ser menor ou mesmo ser adiado. O foco vai estar também nas novas projeções macroeconómicas do staff do BCE e nas respostas de Lagarde a perguntas sobre a decisão do Tribunal Constitucional alemão, que classicou como ilegal algumas partes do programa de compra de ativos lançado em 2015.

Outros eventos em foco:

  • INE publica atividade dos transportes no primeiro trimestre
  • Eurostat divulga vendas a retalho em abril
  • EUA: novos pedidos de subsídio de desemprego na semana que terminou a 30 de maio

 

Sexta-feira, 5 de junho:

Evento em destaque: Bureau of Labor Statistics divulga dados sobre o desemprego nos EUA em maio

Em abril os empregos nos sectores não-agrícolas nos EUA tombaram 20,5 milhões, com o impacto da pandemia do novo coronavírus a fazer disparar a taxa de desemprego para 14,7%, a taxa mais elevada e o maior aumento mensal na história da série, cujos dados estão disponíveis desde 1948. Segundo dados semanais, o número de pedidos iniciais de subsídio de desemprego tem continuado a subir, mas com o ritmo a desacelerar. Ainda assim, o número de pedidos subiu 2,12 milhões na semana que terminou a 23 de maio e os analistas projectam que os dados mensais revelem uma queda de 10 milhões nos non-farm payrolls e uma subida da taxa de desemprego para 20%.

Outros eventos em foco:

  • Itália divulga vendas a retalho em maio
  • Alemanha publica encomendas na indústria em abril
Ler mais

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários