Torres Vedras vai ter ensino superior em saúde. Polo abre no próximo ano com mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica

O antigo edifício dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da cidade torreense vai albergar o novo polo do IPLeiria, considerado de grande importância para a escolha da localização do futuro Hospital do Oeste.

A cidade de Torres Vedras vai contar com um polo da Escola Superior de Saúde do Politécnico de Leiria, que deverá entrar em funcionamento no próximo ano letivo (2021/2022) com uma turma de mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica. Durante o próximo ano letivo será proposta a criação das licenciaturas Ciências Biomédicas Laboratoriais e Podologia.

No arranque, a escola vai também receber três cursos técnicos superiores profissionais (CTeSP) já em funcionamento no Núcleo de Formação do IPL em Torres Vedras.

A minuta do protocolo entre a Câmara Municipal de Torres Vedras e o Instituto Politécnico de Leiria (IPL) já foi aprovada em reunião de câmara, disponibilizando a autarquia o antigo edifício dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da cidade para o efeito, após obras de adaptação a realizar.

Este polo constitui um elemento de central importância para a escolha da localização do novo Hospital do Oeste. “A existência de uma escola desta tipologia nas proximidades de um hospital potencia a capacidade operacional do mesmo, uma vez que além das parcerias em termos de estágios e formação contínua dos profissionais de saúde, é um polo agregador de projetos de investigação na área da saúde”, destaca a autarquia em comunicado enviado às redações esta quarta-feira, 25 de novembro.

Recomendadas

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.

Fenprof: “Não basta dizer que as escolas vão estar abertas”

Mário Nogueira, o secretário geral da Federação Nacional dos Professores, reagiu ao anúncio do primeiro-ministro exigindo a inclusão dos professores no grupo de prioritários para a vacina, bem como a realização de testes nas escolas, entre outros.
Comentários