Trabalhadores do McDonald’s no Reino Unido em greve pela primeira vez

Os trabalhadores exigem um salário mínimo de 10 libras por hora, o fim da precariedade e o direito a poderem sindicalizar-se.

Os trabalhadores do McDonald estão a organizar a sua primeira greve no Reino Unido. Os trabalhadores exigem um salário mínimo de 10 libras por hora (perto de 11 euros), o fim da precariedade e o direito a poderem sindicalizar-se.

A greve de 24 horas começou à meia-noite em duas lojas da empresa, em Crayford, perto de Dartford e Cambridge. Os trabalhadores das empresas de Crayford e Cambridge, não estão oficialmente sindicalizados, mas estão a ser representados pelo BFAWU, União Aliada dos Padeiros e da Restauração, o maior sindicato independente do setor alimentar no Reino Unido.

Segundo cita o The Telegraph, o BFAWU disse que a equipa não teve outra alternativa a não ser avançar para “o passo histórico”, já que a administração não atendeu às chamadas para responder a questões como melhor segurança no trabalho e finalizar com os contratos polémicos.

“Apesar de todas as tentativas de mudar a abordagem do McDonald’s e ajudá-los [aos trabalhadores] a tornarem-se num empregador mais justo, nada foi feito da parte deles. Nada mudou. Promessas vazias foram feitas. No entanto, nada foi entregue “, disse Ian Hodson, líder nacional do BFAWU.

O McDonald’s emprega cerca de 85 mil empregadores no Reino Unido. Segundo o The Telegraph, a empresa diz que deu a aoportunidade de a equipa escolher contratos flexíveis ou fixos com o mínimo de horas garantidas, mas 86 por cento optou por manter contratos flexíveis.

A greve insere-se na campanha “Fast Food Rights”, semelhante à organizada pelos trabalhadores norte-americanos pela reinvindicação de um salário de 15 dólares por hora.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários