Tranquada Gomes: Assembleia Legislativa não deve ser “vulgarizada” por encenações mediáticas

Na sessão Solene do Dia do Concelho de Câmara de Lobos, o presidente da ALRAM lembrou que a Autonomia não pode servir para desresponsabilizar o Estado das obrigações para com as Regiões Autónomas e apelou à valorização dos órgãos de poder local, independentemente das diferentes ideologias.

A afirmação da Autonomia não passa por protagonismos, nem pode ser vulgarizada por encenações que visem esse fim, afirmou, esta quinta-feira, Tranquada Gomes.

O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira (ALRAM) falava na sessão solene do Dia do Concelho de Câmara de Lobos, altura em que defendeu também que a Autonomia não pode servir para desresponsabilizar o Estado português das suas obrigações para com a Madeira.

O líder do Parlamento Regional evocou os custos do orçamento regional com a Saúde e a Educação, um esforço orçamental da ordem dos 700 milhões de euros por ano, e deixou claro que o financiamento em 50% do projeto para o novo hospital da Madeira faz parte das obrigações do Estado para com  a saúde dos seus cidadãos.

Tranquada Gomes pediu ainda a todas as instituições democráticas para que valorizem os órgãos de poder local, independentemente das diferenças ideológicas, lembrando que são esses valores que sustentam a Autonomia.

O município entregou 13 condecorações e uma a título póstumo ao médico António Castro.

Recomendadas

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.

Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

JPP quer trabalhadores da economia informal incluídos nos apoios do Fundo de Emergência Social

O partido diz que no casos dos trabalhadores que não se encontravam enquadrados nos sistema de Segurança Social, estes foram “duplamente penalizados” porque não têm forma de provar perda de rendimentos devido à pandemia, pelo que não elegíeis para vários tipos de apoios, entre os quais o Fundo de Emergência Social.
Comentários