Transformação digital em PME: sim, mas como?

A transformação digital está, hoje em dia, ao alcance das PME e não só beneficia a a empresa como também o cliente final.

Muito se tem falado em transformação digital, mas muitas empresas ainda não compreenderam totalmente quais as consequências de perder este comboio. É importante sublinhar que a transformação digital não só é importante, como obrigatória para qualquer empresa que queira sobreviver no mercado global atual.

Vivemos numa nova era, onde startups de base tecnológica acabam com monopólios e negócios de décadas nos mais diversos setores, dos transportes ao imobiliário, dos conteúdos ao retalho, às entregas ou à industrial musical. É um mercado extremamente competitivo, onde quem não se prepara acaba por perecer.

É um dado adquirido que as empresas portuguesas não estão preparadas para esta nova economia, no entanto há alguns dados positivos, nomeadamente a sua vontade de modernização e a tentativa de ganhar vantagens competitivas através da tecnologia e da automatização de processos. E isto são já passos positivos no sentido da transformação digital.

Falta ainda, às empresas portuguesas, muito caminho rumo à transformação digital. Falta um alinhamento de processos e a adoção de uma estratégia que englobe tecnologia móvel, leve e de fácil acesso. Por vezes, um ERP poderoso na palma da mão pode fazer toda a diferença e constituir uma mais-valia para o acesso à informação em qualquer lugar. Por outro lado, um trabalho de consultoria com o parceiro certo pode fazer toda a diferença para adaptar a tecnologia existente às necessidades de cada PME.

Em 2018, nota-se uma maior confiança nas empresas e uma maior aposta no crescimento. Nalguns casos, existe uma mentalidade que ainda necessita de se adaptar ao novo paradigma do mercado: constante mudança, ameaças múltiplas e um mar de oportunidades.

Mas Portugal está na moda também ao nível do investimento estrangeiro, e isso pode ser a janela de oportunidade pela qual muitas empresas ansiavam. Contudo, quem não tiver esta capacidade de crescimento e flexibilidade terá certamente problemas no futuro próximo.

A tecnologia é essencial na transformação digital. Um ERP Web é um ponto forte e uma real mais-valia. E se a um ERP Web acrescentarmos uma adaptação séria e responsável aos processos internos da empresa, teremos um fator competitivo muito forte em relação à concorrência.

Importa sublinhar que a transformação digital está, hoje em dia, ao alcance das PME. A transformação digital beneficia a empresa e o cliente final, uma vez que permite um produto ou serviço de maior qualidade com muito menos esforço e custo. Não é preciso um grande investimento inicial, sobretudo se se tratar de uma PME. A transformação digital pode começar por uma gama de entrada e ir avançando, a pouco e pouco, por cada área de negócio, com um planeamento e um orçamento sérios e objetivos.

Os ERP existentes no mercado, como o PHC, Primavera, Sage X3, Navision, SAP ou outros, têm um valor por utilizador e uma gama ajustada à dimensão da empresa. Desta forma, é possível adquirir um software de gestão ajustado, tanto em termos de preço como de funcionalidades, adquirindo um software que cresce com a própria empresa. E isso já é um passo em frente!

Recomendadas

PremiumPresidente da ATP disponível para novas fusões que unifiquem o setor

Mário Jorge Machado diz que consolidar o associativismo nos têxteis até unir todos os empresários seria benéfico para o setor. Frente internacional é outra prioridade do líder da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal.

Premium70 anos da Santini. Como a teoria do Big Bang se pode aplicar aos gelados artesanais

Desde o avô Attilio, desde a Cortina d’Ampezzo, a história da mais famosa gelataria portuguesa está a comemorar a partir desta semana o seu 70.º aniversário e já vai para a quarta geração dentro da família. O grande salto de expansão da cadeia foi dado, há cerca de 12 anos, com a parceria com a família Botton. Os novos desafios passam por mais lojas em Lisboa, Porto e Algarve, bem como a entrada nos mercados internacionais.

Mais de mil empresas brasileiras recebem apoio para negócios no exterior

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Confederação Nacional da Indústria querem acelerar a internacionalização nas firmas locais.
Comentários