Transformação digital em PME: sim, mas como?

A transformação digital está, hoje em dia, ao alcance das PME e não só beneficia a a empresa como também o cliente final.

Muito se tem falado em transformação digital, mas muitas empresas ainda não compreenderam totalmente quais as consequências de perder este comboio. É importante sublinhar que a transformação digital não só é importante, como obrigatória para qualquer empresa que queira sobreviver no mercado global atual.

Vivemos numa nova era, onde startups de base tecnológica acabam com monopólios e negócios de décadas nos mais diversos setores, dos transportes ao imobiliário, dos conteúdos ao retalho, às entregas ou à industrial musical. É um mercado extremamente competitivo, onde quem não se prepara acaba por perecer.

É um dado adquirido que as empresas portuguesas não estão preparadas para esta nova economia, no entanto há alguns dados positivos, nomeadamente a sua vontade de modernização e a tentativa de ganhar vantagens competitivas através da tecnologia e da automatização de processos. E isto são já passos positivos no sentido da transformação digital.

Falta ainda, às empresas portuguesas, muito caminho rumo à transformação digital. Falta um alinhamento de processos e a adoção de uma estratégia que englobe tecnologia móvel, leve e de fácil acesso. Por vezes, um ERP poderoso na palma da mão pode fazer toda a diferença e constituir uma mais-valia para o acesso à informação em qualquer lugar. Por outro lado, um trabalho de consultoria com o parceiro certo pode fazer toda a diferença para adaptar a tecnologia existente às necessidades de cada PME.

Em 2018, nota-se uma maior confiança nas empresas e uma maior aposta no crescimento. Nalguns casos, existe uma mentalidade que ainda necessita de se adaptar ao novo paradigma do mercado: constante mudança, ameaças múltiplas e um mar de oportunidades.

Mas Portugal está na moda também ao nível do investimento estrangeiro, e isso pode ser a janela de oportunidade pela qual muitas empresas ansiavam. Contudo, quem não tiver esta capacidade de crescimento e flexibilidade terá certamente problemas no futuro próximo.

A tecnologia é essencial na transformação digital. Um ERP Web é um ponto forte e uma real mais-valia. E se a um ERP Web acrescentarmos uma adaptação séria e responsável aos processos internos da empresa, teremos um fator competitivo muito forte em relação à concorrência.

Importa sublinhar que a transformação digital está, hoje em dia, ao alcance das PME. A transformação digital beneficia a empresa e o cliente final, uma vez que permite um produto ou serviço de maior qualidade com muito menos esforço e custo. Não é preciso um grande investimento inicial, sobretudo se se tratar de uma PME. A transformação digital pode começar por uma gama de entrada e ir avançando, a pouco e pouco, por cada área de negócio, com um planeamento e um orçamento sérios e objetivos.

Os ERP existentes no mercado, como o PHC, Primavera, Sage X3, Navision, SAP ou outros, têm um valor por utilizador e uma gama ajustada à dimensão da empresa. Desta forma, é possível adquirir um software de gestão ajustado, tanto em termos de preço como de funcionalidades, adquirindo um software que cresce com a própria empresa. E isso já é um passo em frente!

Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários