PremiumTransição energética é uma “oportunidade” para Portugal

Bruno Martinho, da consultora Accenture, aborda os principais desafios e oportunidades da transição energética em Portugal. “Temos os ingredientes todos para capturar esta mais valia para Portugal”.

A transição energética é uma oportunidade para Portugal na próxima década, defende Bruno Martinho, administrador da consultora Accenture.

“A transição energética é uma oportunidade económica com impacto no PIB da zona euro, mas também na criação de postos de trabalho. É uma oportunidade em particular para Portugal de nos reposicionarmos num ecossistema de energia que vai sendo cada vez mais importante não só à escala local, mas também à escala europeia”, disse Bruno Martinho.
“Tipicamente, o sistema energético foi montado e idealizado de montante a jusante. O que estamos a ver agora é a possibilidade de a geração começar em qualquer ponto da cadeia de valor seja mais próximo do consumidor ou das empresas. Esta geração vai ser cada vez mais descentralizada”, analisou.

O responsável da Accenture pela área da tecnologia e da energia sublinhou a “inteligência que regula os fluxos de energia” e que o encontro entre a procura e a oferta vai ser “feito de forma cada vez mais individualizada, em comunidades, seja com empresas, seja em relações entre produtores de energia, e consumidores”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.

Brexit & RGPD: sinais de um mundo interdependente

A importância e complexidade regulatória inerentes à Proteção de Dados é, desde logo, fundada na necessidade de troca de informações com o Reino Unido para fins de segurança e prevenção de ameaças do foro criminal.
ana_catarina_mendes_ps

PS propõe comissão para avaliar integração da Caixa de Previdência dos Advogados na Segurança Social

O grupo parlamentar socialista considera que o atual sistema de previdência dos advogados e solicitadores é “desajustado” e não tem “nenhum cariz assistencialista”, e deve refletir-se sobre a sua integração na Segurança Social.
Comentários