Três armadores internacionais trocaram Setúbal por portos espanhóis

Se estes três armadores não regressarem ao porto de Setúbal, estaremos a falar de uma ‘fuga’ de cerca de 8.550 TEU neste mês de dezembro, por comparação com o mês homólogo de 2017.

A partir de ontem, dia 3 de dezembro, três armadores internacionais, a McAndrews, a Tarros, e a Arkas, deixaram de escalar o porto de Setúbal, desviando os contentores maioritariamente para os portos espanhóis de Vigo e de Santander.

Esta decisão resulta do conflito laboral iniciado há várias semanas pelos estivadores do SEAL – Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística no porto de Setúbal e deverá provocar uma quebra de 70% na carga de contentores movimentada pelo porto sadino.

“A partir de hoje [ontem], o porto de Setúbal vai perder 70% das suas cargas em contentores. Três armadores, a McAndrews, Tarros e Arkas, decidiram deixar de escalar o porto de Setúbal porque não querem suportar mais custos acrescidos. E foram para portos espanhóis, maioritariamente para os portos de Vigo e de Santander”, revelou ao Jornal Económico, Diogo Marecos, administrador da Operestiva, uma das duas empresas fornecedores de pessoal de estiva aos operadores de terminais portuários em Setúbal.

Segundo os dados fornecidos pela AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes,  no mês de dezembro do ano passado, o porto de Setúbal movimentou 12.211 TEU (medida padrão equivalente a contentores com 20 pés de comprimento).

Se estes três armadores não regressarem ao porto de Setúbal, estaremos a falar de uma ‘fuga’ de cerca de 8.550 TEU neste mês de dezembro, por comparação com o mês homólogo de 2017. Ou do ‘desaparecimento’ de de mais de 106 mil TEU num ano, tendo conta os dados do ano passado. Isto, se não houver mais debandadas de armadores internacionais do porto de Setúbal.

A paralisação do porto de Setúbal não está só a prejudicar o segmento da carga contentorizada.

A fabricante automóvel Autoeuropa corre sérios riscos de ter de suspender a produção já durante esta semana, enquanto a The Navigator está a exportar pasta e papel através de outros portos nacionais, mas com custos acrescidos em tempo e dinheiro.

A situação de impasse agravou-se a partir de sexta-feira passada, dia 30 de novembro, com o fracasso do processo negocial entre estivadores do SEAL – Sindicato de Estiva e Atividades Logísticas e operadores do porto de Setúbal, mediado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Com o Governo fora do processo e as posições a manterem-se irredutíveis por parte do SEAL e dos operadores portuários, resta pouca margem de manobra às empresas que utilizam regularmente o porto de Setúbal.

Neste momento, o porto de Setúbal está praticamente parado, asseguraram diversas fontes contactadas pelo Jornal Económico.

 

 

Ler mais
Relacionadas

PremiumAutoeuropa em risco de parar a produção já esta semana

A partir de ontem, dia 3 de dezembro, três armadores internacionais, a McAndrews, a Tarros, e a Arkas, deixaram de escalar o porto de Setúbal, desviando os contentores maioritariamente para os portos espanhóis de Vigo e de Santander e provocando uma quebra de 70% nas cargas contentorizadas do porto sadino.

Agentes de navegação prevêem declínio crescente dos portos de Lisboa e Setúbal

Esta reação da Agepor surge na sequência do insucesso do processo negocial, na passada sexta-feira, dia 30 de novembro, entre os operadores portuários de Setúbal e o SEAL, mediado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Faltam motores à Autoeuropa. Paralisação vai durar 11 dias

Para além das manifestações dos ‘coletes amarelos’ em França, a paralisação dos estivadores no porto de Setúbal está a condicionar a produção de motores. Este bloqueio vai resultar numa paragem de 11 dias.

FNSTP acusa Sindicato dos Estivadores de usar os trabalhadores portuários de Setúbal para criar um conflito

Segundo a federação sindical, os trabalhadores portuários de Setúbal foram para o SEAL “um instrumento, um pretexto para criar um conflito e formas de luta laboral, que leve as autoridades e os operadores portuários a discutir com o SEAL, não as condições do porto de Setúbal, mas, sim, as dos portos de Sines e de Leixões”.
Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários