Três em cada quatro empresas britânicas não se sentem preparadas para o Brexit

As empresas de produção industrial são as que sentem uma maior incerteza face ao período de transição devido à falta de medidas concretas.

O Brexit é o passo final de um processo que se iniciou quando David Cameron ainda era primeiro-ministro. Após quatro anos de incerteza face à saída do Reino Unido da União Europeia, apenas uma em cada quatro empresas britânicas assume estar preparada para a desvinculação total dentro de cinco meses, avança o “The Guardian”.

As empresas de manufaturação são as que sentem uma maior incerteza face ao período de transição devido à falta de medidas concretas, algo que o Instituto de Diretores considera um maior impedimento à preparação das empresas perante o Brexit do que a concentração de esforços na pandemia de coronavírus.

A maioria dos diretores questionados afirmou que garantir um acordo comercial era importante para as empresas e para a economia. “Com tanta coisa a acontecer [Covid-19], muitos diretores acham que a preparação para o Brexit é como tentar atingir um alvo em movimento. Saltar imediatamente para o que vier a seguir seria um pesadelo para muitas empresas”, apontou o diretor-geral do Instituto, Jonathan Geldart.

O Reino Unido saiu oficialmente da União Europeia a 31 de janeiro de 2020 mas o período transitório dura até ao final do ano. No mês passado, devido à pandemia da Covid-19, o governo relaxou o controlo nas importações, garantindo que as tarifas fronteiriças só seriam introduzidas no verão de 2021.

Esta segunda-feira, o governo britânico divulgou a campanha ‘Get Set for Brexit’, no valor de 705 milhões de libras (782 milhões de euros), de forma a ser distribuído a diversas instalações fronteiriças em todo o território britânico.

Recomendadas

Volkswagen e três parceiros locais investem 15 mil milhões no mercado elétrico chinês

A conhecida marca alemã pretende solidificar a sua posição no setor com maior futuro no maior mercado automóvel do mundo.

EUA registam 263 mortos por Covid-19 e mais de 32 mil casos nas últimas 24 horas

Apesar de Nova Iorque não ser mais o estado com maior número de infeções, ainda é o mais afetado em termos de mortes nos Estados Unidos, com 33.215, mais do que no Peru, França ou Espanha.

Human Rights Watch insta China a respeitar direitos de detidos que incluem jovem português

Os 12 ativistas, que incluem o estudante universitário Tsz Lun Kok, com dupla nacionalidade chinesa e portuguesa, foram detidos a 23 de agosto pela guarda costeira chinesa, por suspeita de “travessia ilegal”, quando se dirigiam de barco para Taiwan, onde se pensa que procuravam asilo político.
Comentários