Três em quatro trabalhadores dizem não ter obstáculos na conciliação entre a vida profissional e pessoal

Imprevisibilidade do horário ou horário atípico e horário de trabalho longo são os principais obstáculos à conciliação entre as duas esferas. Já a flexibilidade do horário laboral é considerada ainda diminuta, embora a maioria dos trabalhadores reconheça a possibilidade de proceder a modificações da sua hora de entrada ou de saída em pelo menos uma hora.

A maioria dos trabalhadores considera não ter obstáculos à conciliação da vida profissional com a vida familiar, segundo os dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, dia 7 de outubro.

No módulo ad hoc de 2018 sobre a conciliação da vida profissional com a vida familiar, realizado no segundo trimestre do ano, juntamente com o inquérito ao emprego, 76,6% dos inquiridos sinalizou esta opção, com 78,9% das mulheres e 74,2% dos homens a manifestarem esta posição.

Entre os indivíduos que identificaram algum obstáculo à conciliação da vida profissional com a responsabilidade de cuidados, a imprevisibilidade do horário ou horário atípico (6,8%), seguido do horário de trabalho longo (5,1%) e do trabalho exigente ou extenuante (3,3%) ou entre outros obstáculos (também 3,3%) foram os principais obstáculos identificados. “Neste domínio, não há diferenças significativas entre homens e mulheres”, salienta o INE.

Flexibilidade do horário laboral ainda é diminuta 

Cerca de um quarto dos trabalhadores indica não ser possível alterar o horário de trabalho diário, sendo a maior impossibilidade registada por homens do que por mulheres, com 23,9% dos entrevistados a identificarem a pouca flexibilidade do horário laboral. No entanto, 55,9% indicaram ser geralmente possível proceder a modificações da sua hora de entrada ou de saída em pelo menos uma hora.

Ainda assim, 18,3% dos entrevistados declararam “ser raramente possível proceder a tais alterações”, com maior incidência nas mulheres. O INE salienta que estes valores “não divergem muito” dos observados em 2010, quando 55% dos inquiridos indicaram “ser possível reduzir o seu horário de trabalho diário” em pelo menos uma hora por razões familiares. Já em 2005 a percentagem equivalente havia sido de 44,5%.

Já sobre a ausência do trabalho durante dias completos para o cumprimento de responsabilidades de prestação de cuidados, sem utilizar dias de férias, apenas 38,7% dos entrevistados indicaram ser geralmente possível ausentar-se do trabalho durante dias completos. Registou-se, assim, uma diminuição da percentagem de inquiridos face a 2010 e 2005 – 58,5% – que mencionaram ser “raramente possível ou mesmo impossível poder ausentar-se do trabalho durante dias completos”.

 

Ler mais
Relacionadas

Taxa de desemprego manteve-se nos 6,7% no terceiro trimestre

Taxa de desemprego é a mais baixa desde 2011, com um decréscimo de 1,8 pontos percentuais (p.p.) face do trimestre homólogo de 2017. Taxa de desemprego jovem fixa-se nos 20%.
Recomendadas

Na hora de investir, lembre-se destas oito regras de ouro

Investir é uma decisão complexa e que acarreta alguns riscos. No entanto, há regras de ouro que apelam ao bom senso e que podem ajudar a ter atitude mais acertada perante os seus investimentos.

Guia ‘Black Friday’: tudo o que precisa de saber para o dia de compras mais “louco” do ano

É já amanhã, sexta-feira, que tem início o dia de cmpras mais esperado do ano. Conheça as melhores promoções, as dicas e até uma plataforma de comparação de preços.

Instagram: duas praias portuguesas entre as mais fotografadas da Europa

Praia da Rocha e praia da Falésia, no Algarve, estão entre as mais ‘postadas’ no Instagram, no que diz respeito a praias europeias.
Comentários