Três ideias chave para o futuro

Pessoa escreveu que Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce. E o sonho é conseguir “ver as formas invisíveis, da distância imprecisa”. No Jornal Económico, estamos desde setembro de 2016 unidos no sonho de criar um jornal independente e ao serviço dos leitores, oferecendo-lhes jornalismo de qualidade.

Desde então, o nosso projeto tem vindo a afirmar-se no panorama dos media em Portugal, com uma forte presença no digital e uma edição semanal em franco crescimento.

Em primeiro lugar, é preciso realçar que estes resultados não teriam sido possíveis sem o empenho e a dedicação de uma equipa incansável, nos diferentes departamentos do JE. Foi este grupo extraordinário de cerca de 40 pessoas que tornou possível a concretização de um projeto que muitos – que provavelmente não enxergavam as tais “formas invisíveis” – diziam irrealizável. E é em nome desta equipa fantástica que criou o JE que agradeço a todos os nossos leitores, parceiros e anunciantes pelo apoio que nos têm dado ao longo destes três anos. Tudo faremos para continuarmos a merecer essa confiança.

Agora é tempo de olhar para o futuro e permitam-me que aproveite esta ocasião para vos falar do JE que queremos construir nos próximos anos. Há três ideias chave da nossa estratégia que merecem ser destacadas:

1. Valores: Acreditamos que o papel do jornalismo é selecionar e validar a informação relevante, inserindo os factos num contexto significativo, de forma a que os cidadãos possam tomar decisões esclarecidas e informadas. Para tal, temos de procurar trabalhar com independência, isenção e rigor. E vamos elevar cada vez mais a fasquia da qualidade do nosso jornalismo. Iremos também continuar a implementar mecanismos de prevenção de conflitos de interesse e a apostar na formação de talento, ajudando a formar a nova geração de jornalistas de economia portugueses.

2. Tecnologia: Mais do que um semanário, o Jornal Económico é hoje uma marca de informação multiplataforma, em papel, online e multimédia, acompanhando as novas tendências de consumo de informação que surgiram com a digitalização. No futuro, vamos reforçar a oferta de conteúdos premium para assinantes, bem como explorar novas soluções tecnológicas, em conjunto com o nosso parceiro SAPO. O objetivo é tornar o acesso aos conteúdos digitais cada vez mais simples, rápido e fácil. Hoje, as vendas digitais já representam cerca de metade da nossa circulação total e nos próximos anos esta percentagem deverá aumentar.

Ao mesmo tempo, vamos continuar a reforçar a nossa oferta de conteúdos gratuitos, com uma forte aposta no multimédia e em novas formas de contar histórias.

3. Comunidade: Os jornais existem para servir uma determinada comunidade, seja esta um país, uma região, uma classe profissional ou um grupo de pessoas unidas pelo interesse em determinado assunto. A comunidade é a nossa razão de ser, pelo que o JE vai continuar a produzir conteúdos e a organizar eventos direcionados para os nossos leitores, parceiros e anunciantes. Procuramos assim ir ao encontro dos interesses dos diferentes públicos e audiências que que compõem a nossa comunidade.

 

Nota: Ao longo das próximas quatro edições, vamos assinalar o aniversário do JE com um conjunto de trabalhos sobre temas decisivos para o futuro do nosso País. O trabalho desta semana tem como tema o crescimento da economia portuguesa (ver páginas 14, 15 e 16). Nas próximas edições vamos analisar os temas da Sustentabilidade (dia 20), Reforma do Estado (dia 27) e Futuro da Europa (dia 4 de outubro).

 

Recomendadas

Esta opinião só tem dois recados

Ninguém gosta de ser chamado de moço ou moça de recados, nem de ver manchada a reputação de independência.

Mais redistribuição? Sim, por favor

Dados da OCDE mostram que em Portugal pode demorar até cinco gerações para que os descendentes de uma família pobre atinjam o rendimento médio nacional.

A TAP

A nacionalização avança perante a pressão de ‘lobbies’ vários e defendida por bem conhecidos mamões do Estado que temos.
Comentários