Três sindicatos portugueses reúnem-se com UGT espanhola por causa dos despedimentos do Santander Totta

O Mais Sindicato, o Sindicato dos Bancários do Centro e o Sindicato dos Bancários do Norte ressalvaram que da reunião saiu a importância do diálogo ibérico, “para que a administração central Santander em Espanha saiba o que se passa em Portugal e como os responsáveis do Santander Totta “agem, de forma completamente distinta”.

A UGT espanhola e os seus sindicatos do Grupo Santander juntaram-se aos portugueses na defesa dos bancários do Santander Totta (BST). “Juntos, exigem que seja interrompido o despedimento coletivo anunciado”, dizem os sindicatos filiados na UGT em Portugal.

Realizou-se esta quarta-feira, dia 15 de setembro, uma reunião entre os três sindicatos portugueses – Mais Sindicato, SBC e SBN – e uma delegação da UGT/Espanha, que integrou dirigentes sindicais do Santander em Espanha.

“No encontro ficou claro que a redução do número de trabalhadores está a ser realizada de forma radicalmente diferente nos dois países – quer em termos de dimensão, quer de processos”, defendem os sindicatos bancários portugueses.

O mesmo comunicado diz que em Espanha, o Santander negoceia soluções com os Sindicatos, preservando a paz social. Ou seja, “por acordo com os trabalhadores e em condições claramente mais vantajosas”.

Além disso, em 2021 a redução de efetivos é de cerca de 15% do total de trabalhadores, dizem contrapondo que em Portugal, pelo contrário, o Banco Santander Totta “ameaça com despedimento coletivo os trabalhadores que não aceitam a proposta de rescisão por mútuo acordo (RMA)”.

“Por sua vez, no mesmo período a diminuição de efetivos ronda os 25% da força de trabalho”, acrescentam os sindicatos.

O Mais Sindicato, o Sindicato dos Bancários do Centro e o Sindicato dos Bancários do Norte ressalvaram que da reunião saiu a importância do diálogo ibérico, “para que a Administração central Santander em Espanha saiba o que se passa em Portugal e como os responsáveis do Santander Totta “agem, de forma completamente distinta e em completo desrespeito pelos trabalhadores – lançando uma profunda mancha negra na imagem do Grupo Santander”, acusam.

Os sindicatos portugueses frisaram que é urgente negociar com mais tempo, atendendo às circunstâncias. “Este ano, o banco já reduziu em mais de 1000 o número de efetivos e, em simultâneo, tem agências em que há falta de trabalhadores. Por outro lado, em termos de resultados obteve lucros”. O que na ótica dos sindicatos são razões suficientes para “parar por aqui o seu procedimento e não enveredar por processos unilaterais”.

“Face aos factos, os Sindicatos de ambos os países e as respetivas centrais sindicais deixam uma mensagem clara à Administração do Santander: é fundamental parar o processo de redução de trabalhadores. Do mesmo modo, exigem dignidade, respeito e paz social – a pandemia não serve de desculpa”, concluem.

O Santander Totta informou que 230 trabalhadores, de um total de 685 inicialmente previstos, não aceitaram as propostas de rescisões voluntárias ou a passagem à reforma, e que vai avançar com um “processo unilateral e formal” a partir deste mês, o que na prática significa a realização de um despedimento coletivo. O processo não está todavia concluído.

Recomendadas

Lesados do BPP congratulam-se que a comissão liquidatária do banco tenha libertado primeira informação desde 2010

A Comissão Liquidatária do BPP veio a público dizer que só pode pagar a credores depois de pagar ao Estado e não pode fechar a liquidação enquanto houver ações judiciais pendentes (para recuperar ativos). Hoje, em comunicado, a Privado Cliente congratulou-se que a CL tenha comunicado, “pela primeira vez desde 2010” e espera que “este passo seja o início de uma nova fase entre as duas entidades”. Mas desafia-a a dar mais informação.

Fitch espera que 20 bancos europeus apresentem bons resultados líquidos no terceiro trimestre

Numa análise a 20 bancos europeus, onde não consta nenhum português, a Fitch realça que a maioria dos bancos tem lucros sólidos este ano, apoiados por mercados de capitais dinâmicos e por uma recuperação da banca comercial.

Banco Montepio liquida filial de Cabo Verde (com áudio)

Uma mudança na lei em Cabo Verde levou o Banco Montepio decidir pela liquidação e dissolução da filial. Mas os depósitos estão assegurados.
Comentários