Tribunais de Contas de Portugal e Europeu vão analisar a gestão e controlo dos fundos comunitários

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, e António Costa, Primeiro-ministro, assim como a comissária europeia Elisa Ferreira, têm a sua presença já confirmada neste evento.

O Tribunal de Contas de Portugal e o Tribunal de Contas Europeu vão organizar, a 21 e a 22 de junho próximo, uma conferência conjunta sobre a gestão, controlo e responsabilidades dos fundos europeus.

“O Tribunal de Contas de Portugal e o Tribunal de Contas Europeu juntam-se em Lisboa, nos dias 21 e 22 de junho, numa conferência conjunta sobre os ‘Fundos Europeu: Gestão, Controlo e Responsabilidades’, uma iniciativa que coincide com a Presidência Portuguesa da União Europeia e com o início de um quadro financeiro plurianual da União Europeia, bem como com o do Plano de Recuperação e Resiliência”, destaca um comunicado desta entidade nacional de supervisão.

Segundo o mesmo documento, “em debate estarão as prioridades e os desafios subjacentes ao Quadro Financeiro Plurianual (QFP) e o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), a transição climática e o futuro digital, o efeito da pandemia na sustentabilidade das Finanças Pública, os modelos de governação e de controlo”.

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, e António Costa, Primeiro-ministro, assim como a comissária europeia Elisa Ferreira, têm a sua presença já confirmada neste evento.

Está também garantida a comparência de vários especialistas e responsáveis de instituições ligadas aos temas em discussão.

O Presidente do Tribunal de Contas de Portugal, José Tavares, e o Presidente do Tribunal de Contas Europeu, Klaus-Heiner Lehne, coorganizadores desta conferência, intervirão na abertura e no encerramento.

“Sinto como obrigação do Tribunal de Contas o desenvolvimento desta conferência no sentido de darmos o nosso contributo para o quadro de aplicação dos fundos da União Europeia e para a construção de um modelo adequado de organização, gestão e controlo que seja gerador de confiança nos cidadãos. O Tribunal de Contas está pronto a participar, tendo por base a experiência de anteriores quadros financeiros plurianuais e sempre no respeito pelo princípio da separação de poderes”, afirma José Tavares.

Para tal, há que investir na qualidade da organização e no planeamento, bem como na eficiência da gestão, incluindo o controlo interno, defende o presidente do Tribunal de Contas de Portugal.

De acordo com José Tavares, “seria adequado não criar estruturas e instituições sobrepostas que dificultam o bom funcionamento do sistema e traduzem desperdício e burocracia”.

“Por outro lado, é essencial dispormos de um quadro normativo claro, procedimentos de contratação com recurso ao mercado, gestão eficiente e eficaz, contas certas, controlo adequado e responsabilização efetiva. Se o novo modelo seguir estes parâmetros, os resultados serão seguramente atingidos!”, sublinha este responsável.

Os organizadores desta iniciativa avisam que, dependendo das condições relacionadas com a pandemia, a conferência terá lugar quer por videoconferência quer presencialmente, sendo aberta a todos os interessados.

 

Recomendadas

Pedro Reis, candidato a bastonário dos Economistas: “Queremos fazer diferente sem rejeitar o passado”

A Ordem dos Economistas vai a votos no final do ano e na corrida aos órgãos sociais está a lista encabeçada por Pedro Reis, candidato a bastonário com o apoio do atual líder da Ordem, Rui Leão Martinho. Em entrevista à plataforma multimédia JE TV, e em resposta a alguns críticos, o ex-presidente da AICEP considerou que não é uma desvantagem ser membro recente da Ordem.

Pacote extraordinário de medidas sobre os combustíveis ronda os 300 milhões de euros

O pacote extraordinário de medidas foi anunciado pelo ministro das Finanças esta sexta-feira. Inclui a congelação até março de 2022 do valor da taxa de carbono, bem como que cada contribuinte tenha um desconto de dez cêntimos por litro de combustível até 50 litros por mês entre novembro e março de 2022.

Leão: “Continuamos convictos de que podemos viabilizar o Orçamento”

Ministro das Finanças deixa aviso à esquerda de que “a alternativa que se oferece ao país é um orçamento apresentado pelo PSD” e garante que o Executivo está a fazer um “esforço” para responder às reivindicações dos partidos que têm viabilizado o Orçamento.
Comentários