Tribunal Europeu decide: Eslováquia e Hungria têm mesmo de aceitar refugiados

O Tribunal de Justiça da União Europeia rejeitou os recursos apresentados pela Eslováquia e pela Hungria, contra os Estados-membros serem obrigados a acolher refugiados que estão na Grécia e em Itália.

Brendan McDermid/REUTERS

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) rejeitou os recursos apresentados pela Eslováquia e Hungria, sobre a política de migração da União Europeia (UE), anunciou a Reuters. O  TJUE reforçou então o direito de Bruxelas em forçar os Estados membros a aceitarem os requerentes de asilo.

Os dois países do leste são contra a relocalização de refugiados por todos os país europeus, uma decisão que foi aprovada pela maioria dos lideres dos 28, em 2015.

A decisão foi anunciada esta quarta-feira. A Justiça Europeia considera que a relocalização dos refugiados de países como a Grécia e a Itália, serve para “aliviar a situação onde centenas de milhares de refugiados têm chegado nos últimos anos”.

Uma vez a decisão anunciada, o comissário europeu para a Migração recorreu à rede social Twitter para falar sobre o assunto. “O Tribunal de Justiça da União Europeia confirma que o mecanismo de relocalização é válido. É altura de trabalharmos unidos e de pormos plenamente em prática a solidariedade”.

Os líderes da UE, em setembro de 2015, definiram o objetivo de deslocalizar 120 mil requerentes de asilo da Grécia e da Itália para outros Estados membros, mas apenas 23% das pessoas foram transferidas, ou seja, cerca de 27 mil pessoas.

 

 

Relacionadas

Papa Francisco quer melhores leis para apoiar os refugiados

O Papa quer que o contributo dos políticos católicos esteja “impregnado continuamente” pelos ensinamentos morais e sociais e desejou que o “amor de deus” inspire para que se alcance “a verdade e o bem” para combater o sofrimento.

Médicos sem Fronteiras suspendem resgate de imigrantes no Mediterrâneo

A organização humanitária internacional suspendeu os resgates devido à decisão da Itália de estabelecer uma área para limitar o acesso das ONGs em águas internacionais.

Navio anti-refugiados recusa ajuda de ONG

A ONG “Sea Eye”, que salva migrantes no Mediterrâneo, respondeu a um pedido das autoridades marítimas para ajudar o navio anti-refugiados C-Star, do movimento xenófobo “Geração Identitária”, mas este recusou qualquer ajuda, anunciou a organização não-governamental.
Recomendadas

Respostas rápidas. O que está em causa na Operação Fora de Jogo?

Sociedades Anónimas Desportivas (SAD), empresários de futebol, dirigentes e advogados têm sido alvo do Ministério Público desde que a investigação arrancou em março do ano passado.

Fim de linha para Bobby Kotick. CEO da Activision Blizzard admite demissão após escândalo de assédio sexual

A Activision enfrenta uma pressão crescente nos últimos meses, com reflexo nos seus resultados financeiros, devido a várias acusações de funcionários sobre desigualdade salarial, discriminação e assédio sexual. Ainda assim, espera encaixar 8,1 mil milhões de euros até 2022.

Ministério Público acrescenta cinco arguidos à operação ‘Fora de Jogo’

Das buscas a instalações de SAD, empresas e escritório de advogados realizadas esta quarta-feira destacam-se as visitas Sporting de Braga e Vitória de Guimarães. Em causa estão suspeitas de negócios simulados entre clubes de futebol e terceiros, com valores a rondar os 15 milhões de euros.
Comentários