Tribunal indiano declara Vijay Mallya “fugitivo económico”

O magnata da aviação e bebidas alcoólicas encontra-se no Reino Unido, depois da extinção da sua empresa Kingfisher Airlines.

Um tribunal da Índia, criado para leis anti-lavagem de dinheiro, declarou que o magnata da aviação e bebidas alcoólicas Vijay Mallya como um “fugitivo económico” este sábado, abrindo caminho para que o Governo confisque os seus bens, segundo a agência internacional de notícias da Ásia, (ANI).

A Índia aprovou recentemente um projeto de lei que autoriza as autoridades a apreender ativos de fugitivos multimilionários, cujos delitos económicos ou crimes envolvam valores superiores a doze milhões de euros.

O projeto faz parte de um esforço para processar acusados ​​que fugiram da Índia nos últimos quatro anos, enquanto o país sofre com uma série de escândalos bancários, incluindo uma fraude de quase dois mil milhões de euros, no Banco Nacional de Punjab, que foi descoberto no país em fevereiro de 2018.

A agência de combate à criminalidade financeira pretende confiscar 1.5 mil milhões de euros em bens de Vijay Mallya. No sábado, o magnata tornou-se a primeira pessoa a ser declarada fugitiva sob a nova lei.

A Índia tem tentado extraditar Mallya do Reino Unido depois da extinção da sua empresa Kingfisher Airlines. O país asiático quer levar as acusações de fraude contra o empresário de 62 anos de idade em 1.2 mil milhões de euros em empréstimos que a Kingfisher Airlines retirou de bancos indianos, e que as autoridades argumentam que Mallya não tinha intenção de pagar.

Um tribunal de Londres decidiu na segunda-feira que Vijay Mallya deveria ser extraditado para a Índia. O magnata vive no Reino Unido desde março de 2016.

Vijay Mallya, era co-proprietário da Force India, uma equipa da Fórmula 1, negou qualquer irregularidade e diz que o caso contra si é motivado por razões políticas.

Ler mais
Recomendadas

Ministério Público quer Rui Rangel fora da Operação Marquês

Conselho Superior de Magistratura, que garantiu a existência de “mecanismos legais para assegurar a independência e a imparcialidade das decisões judiciais” e desafiou as entidades competentes a salvaguardar “a transparência e o bom funcionamento da Justiça”.

PremiumJustiça já arrestou todas as 2.200 obras de arte de Joe Berardo

Após processo interposto pela CGD, BCP e Novo Banco, foram arrestadas 2.200 obras. Mais de metade estavam no museu nas Caves Aliança e no Buddha Eden.

e-toupeira: banco dos réus vai estar “desfalcado” sem a presença da SAD do Benfica, lamenta FC Porto

Os ‘dragões’ apontam “interpretações divergentes sobre a natureza e grandeza das provas que tornassem inequívocas as relações entre mandados e mandantes, sendo certo que partilhavam o mesmo corredor no Estádio da Luz”.
Comentários