Tribunal indiano declara Vijay Mallya “fugitivo económico”

O magnata da aviação e bebidas alcoólicas encontra-se no Reino Unido, depois da extinção da sua empresa Kingfisher Airlines.

Um tribunal da Índia, criado para leis anti-lavagem de dinheiro, declarou que o magnata da aviação e bebidas alcoólicas Vijay Mallya como um “fugitivo económico” este sábado, abrindo caminho para que o Governo confisque os seus bens, segundo a agência internacional de notícias da Ásia, (ANI).

A Índia aprovou recentemente um projeto de lei que autoriza as autoridades a apreender ativos de fugitivos multimilionários, cujos delitos económicos ou crimes envolvam valores superiores a doze milhões de euros.

O projeto faz parte de um esforço para processar acusados ​​que fugiram da Índia nos últimos quatro anos, enquanto o país sofre com uma série de escândalos bancários, incluindo uma fraude de quase dois mil milhões de euros, no Banco Nacional de Punjab, que foi descoberto no país em fevereiro de 2018.

A agência de combate à criminalidade financeira pretende confiscar 1.5 mil milhões de euros em bens de Vijay Mallya. No sábado, o magnata tornou-se a primeira pessoa a ser declarada fugitiva sob a nova lei.

A Índia tem tentado extraditar Mallya do Reino Unido depois da extinção da sua empresa Kingfisher Airlines. O país asiático quer levar as acusações de fraude contra o empresário de 62 anos de idade em 1.2 mil milhões de euros em empréstimos que a Kingfisher Airlines retirou de bancos indianos, e que as autoridades argumentam que Mallya não tinha intenção de pagar.

Um tribunal de Londres decidiu na segunda-feira que Vijay Mallya deveria ser extraditado para a Índia. O magnata vive no Reino Unido desde março de 2016.

Vijay Mallya, era co-proprietário da Force India, uma equipa da Fórmula 1, negou qualquer irregularidade e diz que o caso contra si é motivado por razões políticas.

Ler mais
Recomendadas

Tribunal da Relação de Lisboa declara prescritos crimes de Vale e Azevedo

Antigo dirigente do Benfica está a aguardar julgamento por vários crimes em Londres, mas já não pode ser preso pelo desvio de 1,2 milhões de euros.

Ministério Público abre inquérito a confrontos no Bairro da Jamaica

Os acontecimentos deste fim de semana no Bairro da Jamaica deram origem a um inquérito. Ministério Público do Seixal investiga confrontos entre agentes da PSP e moradores do Bairro da Jamaica, no Seixal, que resultou em vários feridos e na detenção de um cidadão angolano residente em Portugal. Angola já enviou protesto diplomático.

Cristiano Ronaldo reconhece fraude fiscal e paga multa de 18,8 milhões de euros

O futebolista português reconheceu esta terça-feira culpa de quatro crimes de fraude fiscal, num tribunal de Madrid, onde acordou pagar uma multa de 18,8 milhões de euros, escapando a uma pena de prisão de 23 meses.
Comentários